SÃO PAULO - As ordens de compra só aumentam no mercado de câmbio local e leva a cotação da moeda americana a retomar a linha de R$ 1,840, algo que não acontecia desde meados de fevereiro. Por volta das 12h20, o dólar comercial registrava valorização de 2,50%, saindo a R$ 1,841 na compra e R$ 1,843 na venda. Na máxima, a moeda foi negociada a R$ 1,850.

SÃO PAULO - As ordens de compra só aumentam no mercado de câmbio local e leva a cotação da moeda americana a retomar a linha de R$ 1,840, algo que não acontecia desde meados de fevereiro. Por volta das 12h20, o dólar comercial registrava valorização de 2,50%, saindo a R$ 1,841 na compra e R$ 1,843 na venda. Na máxima, a moeda foi negociada a R$ 1,850. No mercado futuro, o dólar com vencimento para junho, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), avançava 2,60%, a R$ 1,855. Segundo o analista de câmbio da BGC Liquidez, Mário Paíva, essa puxada de alta é o que se chama de "stop loss", ou seja, quem tinha posição vendida (aposta pró-real) é obrigado a virar a mão para não sofrer prejuízos ainda maiores. "A única coisa a fazer é comprar dólar." Ainda de acordo com Paiva, a aversão ao risco em âmbito global não serve apenas de gatilho para esse movimento, mas também amplifica essa necessidade de cobertura de posições. Paiva também lembra que com essa alta de mais de 6% em três pregões, mudou a banda de oscilação do dólar para R$ 1,750 a R$ 1,90. (Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.