Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar comercial fecha em baixa de 1,57% a R$ 1,821

Depois de dois dias seguidos de alta, o dólar comercial voltou atrás e fechou em baixa de 1,57% hoje no mercado interbancário de câmbio, cotado a R$ 1,821. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado nos contratos de liquidação à vista encerrou a sessão de hoje em queda de 1,99% a R$ 1,82.

Agência Estado |

O recuo das cotações teve amparo nas indicações de deputados e senadores de que o Congresso dos Estados Unidos vai aprovar o pacote de socorro de US$ 700 bilhões.

A taxa de câmbio oscilou hoje entre a mínima de R$ 1,814 e a máxima de R$ 1,855 por dólar. De acordo com informações do mercado, o volume de negócios somava cerca de US$ 1,76 bilhão por volta das 16h40.

Um operador de tesouraria informou que a queda do dólar hoje no mercado doméstico também esteve relacionada ao desmonte de "posições compradas" (investidores que apostam na alta da moeda), com o desconforto diante da perspectiva de aprovação do pacote de socorro nos EUA.

Hoje, no meio da tarde, o Wall Street Journal informou que líderes democratas e republicanos da Câmara e Senado dos EUA alcançaram um acordo preliminar sobre o pacote de socorro que prevê fundos de US$ 700 bilhões, mas que serão liberados em prestações. O acordo ainda poderá exigir que todas as companhias que venham a participar do programa concordem em limitar os pagamentos aos executivos. Também é provável que o governo americano receba garantias em ativos de todas as companhias que participarem do programa. Os legisladores e suas equipes estão finalizando a linguagem precisa das medidas para serem levadas ao secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, ainda hoje.

Com a atenção totalmente voltada para o pacote nos EUA, segundo o economista-chefe de uma corretora em São Paulo, o mercado cambial doméstico passou à margem do movimento de commodities - embora os preços de alguns desses produtos tenham subido hoje, o que beneficia a moeda brasileira - e de indicadores negativos sobre a economia dos EUA.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG