Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar comercial fecha em baixa de 0,32% a R$ 1,579

O mercado de câmbio reagiu hoje com queda nas cotações do dólar e aumento dos volumes de negócios à alta de 0,75 ponto porcentual da taxa Selic, para 13% ao ano, decidida ontem à noite pelo Banco Central. O dólar comercial foi negociado em baixa desde o início das transações no mercado interbancário, pela manhã, influenciado pelas expectativas de investidores de que o aumento da diferença entre a taxa de juro brasileira e a de países desenvolvidos, após a decisão do BC brasileiro, poderá atrair mais dólares ao País.

Agência Estado |

No fechamento dos negócios desta quinta-feira, o dólar comercial foi cotado a R$ 1,579, baixa de 0,32% em relação à taxa de câmbio de ontem. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar dos contratos de liquidação à vista encerrou o pregão a R$ 1,5795, baixa de 0,28%. Pela manhã, a taxa de câmbio cedeu até a mínima de R$ 1,5738, queda de 0,64%. Assim, o dólar se aproximou da cotação de R$ 1,5735 registrada nove anos atrás, em 20 de janeiro de 1999.

Tesourarias de bancos e fundos de investimento locais e estrangeiros elevaram hoje suas apostas no recuo do dólar no mercado futuro da BM&F e isso pesou para o declínio dos preços da moeda à vista, disse um operador de um grande banco nacional. No mercado de contratos futuros de câmbio na BM&F, o volume negociado dobrou para US$ 13,99 bilhões (280.150 contratos), e os nove vencimentos projetaram cotações em baixa. O dólar com vencimento em agosto deste ano indicou queda de 0,30%, a R$ 1,581.

Mas a queda da taxa de câmbio hoje foi limitada pela compra de moeda por investidores que saíram da Bovespa, sendo parte deles estrangeiros que adquiriram a divisa norte-americana para remessas ao exterior, além de importadores, afirmou um profissional de uma instituição estrangeira. Por isso, o recuo final das cotações teria se desacelerado.

Com um maior fluxo positivo, o Banco Central pode ter comprado em leilão hoje cerca de US$ 120 milhões. A taxa de corte ficou em R$ 1,5746 por dólar. Segundo fontes, cinco instituições financeiras apresentaram seis propostas e duas delas foram aceitas pelo BC. As ofertas variavam entre R$ 1,5760 e R$ 1,5744.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG