Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar comercial fecha em alta de 0,50% a R$ 1,605

O mercado interbancário de câmbio encerrou as negociações hoje com o dólar comercial a R$ 1,605, o que representou alta de 0,50% no dia. A taxa máxima registrada durante a sessão foi de R$ 1,614 e a mínima, de R$ 1,602.

Agência Estado |

No pregão da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar dos contratos de liquidação à vista fechou o pregão regular valendo R$ 1,604, alta de 0,44%.

Durante todo o dia, o dólar foi negociado em alta. Houve uma tentativa de puxar as cotações para baixo quando o índice de manufatura ISM de junho nos EUA mostrou que a atividade das indústrias norte-americanas deixou de mostrar contração. Porém, o ânimo esvaiu-se e, para que haja reação positiva mais consistente nos mercados, o número de hoje precisará ser reafirmado pelos próximos dados da economia norte-americana a serem divulgados.

Para alguns especialistas, o comportamento do dólar durante os próximos meses não replicará o que vinha sendo visto nos últimos anos, durante os quais o real ganhou valor em ritmo acelerado. Por enquanto, ninguém espera uma inversão da tendência, mas as apostas começam a convergir para uma situação de maior estabilidade na relação dólar/real.

As estimativas dão conta de que em momentos de maior tranqüilidade a moeda norte-americana pode recuar até R$ 1,57, mas é praticamente consenso de que o intervalo entre R$ 1,60 e R$ 1,65 deve prevalecer no médio e longo prazos. Até porque, o ambiente internacional está tendo impactos mais concretos em variáveis internas importantes como inflação e contas externas. A avaliação de especialistas é de que o clima internacional tenso - principalmente com a perspectiva de alta de juros na Europa e nos EUA e com a escalada do petróleo - fará contraponto ao recém conquistado grau de investimento pelo Brasil e ao aumento da taxa Selic (juro básico da economia brasileira), que tenderiam a atrair capitais, valorizando o real.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG