O dólar comercial terminou o dia em alta de 0,25%, a R$ 2,365, após iniciar a sessão na máxima do dia, de R$ 2,46, com elevação de 4,28%. Na semana, ficou estável.

Na BM&F, o dólar negociado à vista encerrou com ganho de apenas 0,04%, a R$ 2,360, sendo que a cotação máxima, na abertura, foi de R$ 2,459 (+4,24%). Na semana, recuou 0,21%. No acumulado do mês, respectivamente, os ganhos são de 2,20% e de 1,07%; e, no ano, de 33,24% e 32,79%. O giro financeiro total do dia manteve-se em cerca de US$ 3,249 bilhões.

A desaceleração dos ganhos do dólar à vista ocorreu no fim da manhã, quando os operadores observaram entradas de recursos estimadas entre US$ 400 milhões e US$ 500 milhões. Em meio a esse fluxo positivo, cuja origem não foi identificada, o dólar zerou os ganhos e atingiu as cotações mínimas do dia, de R$ 2,3527 (-0,27%) na BM&F e de R$ 2,352 (-0,30%) no mercado interbancário (dólar comercial).

Os dois leilões realizados pelo Banco Central à tarde também favoreceram essa redução de ganhos. Na quinta tranche de rolagem do vencimento de US$ 9,6 bilhões em contratos de swap cambial em 2/1/2009, o BC vendeu 6 mil, equivalentes a US$ 298,9 milhões. No leilão no mercado à vista, hoje, a autoridade vendeu cerca de US$ 150 milhões, com taxa de corte de R$ 2,38.

A disparada das cotações à vista no começo do dia refletiu ajustes do mercado ao vencimento do contrato futuro de dólar para janeiro, ontem, a R$ 2,435, enquanto o dólar comercial era negociado a R$ 2,359. A forte valorização externa do dólar também foi acompanhada pelas cotações no mercado brasileiro. Contudo, houve entradas de recursos no final da manhã, que asseguraram uma inversão momentaneamente do sinal para queda, que foi revertida em seguida por influência do cenário externo.

A correção do dólar no mercado de moedas foi induzida pelo anúncio do plano do governo dos EUA de socorro às montadoras. O plano envolve US$ 17,4 bilhões em empréstimos de emergência para a General Motors e a Chrysler.

Em Nova York às 17h11 (de Brasília), o euro recuava a US$ 1,3859, de US$ 1,4263 ontem; a libra caía a US$ 1,48355, de US$ 1,51245 na véspera; e o dólar subia a 89,71 ienes, ante 89,29 ienes ontem. Nas bolsas, o índice Dow Jones ganhava 0,10%; o Nasdaq, 1,18%; e o S&P500 perdia 0,61%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.