Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar comercial abre em leve alta, de 0,05%, a R$ 1,903

O dólar comercial abriu em leve alta hoje, de 0,05%, cotado a R$ 1,903 no mercado interbancário de câmbio. Ontem, a moeda americana despencou 3,3% e fechou a R$ 1,902.

Agência Estado |

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar à vista era negociado em alta de 0,42%, a R$ 1,912, após abertura estável a R$ 1,904.

A expectativa de que o Senado dos Estados Unidos aprove uma versão modificada do pacote de US$ 700 bilhões para o sistema financeiro continua movendo os mercados, que opera em tom de cautela.

Por aqui, o mercado doméstico de câmbio deve acompanhar a situação internacional. A expectativa, no entanto, é de que a moeda americana inicie o dia com variação menos intensa do que tem sido registrado nos últimos pregões, mas mantendo cautela. Sem estresse.

Até porque, a avaliação consensual é de que, mesmo que o governo dos EUA consiga reverter a derrota que o pacote teve na Câmara na segunda-feira (dia 29), a situação global piorou nas últimas semanas. Os especialistas acreditam que as proporções que a crise do sistema financeiro tomou já estão afetando a economia real em magnitude maior do que esperada e de maneira mais ampla.

Depois de abalar as economias desenvolvidas, a restrição internacional de crédito está sendo computada também na atividade dos países emergentes. O desafio, agora, é medir a intensidade disso. Porém, se os cenários anteriores foram por terra, ninguém se arrisca a colocar outros no lugar. Afinal, não se sabe o que está por vir. E é aí que entra a importância da definição dos parlamentares americanos, que deve ser tomada a partir do final do feriado judaico, hoje, com o pôr-do-sol. Se as medidas forem aprovadas, o cenário será ruim. Mas se forem rejeitadas, será ainda pior.

Ainda assim, o mercado doméstico de câmbio tende a ser menos pessimista. Além de considerar que o país está melhor do que seus pares, os investidores devem computar positivamente o fato de o governo estar preocupado em estudar medidas para aliviar o estreitamento de liquidez, com foco nos exportadores.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG