Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar comercial abre em baixa, negociado a R$ 2,304

Uma entrada de recursos, que foi capaz de inverter a trajetória do dólar para baixo ontem à tarde, e um segundo dia consecutivo sem oferta de swaps cambiais reversos, hoje. Assim o mercado doméstico de câmbio inicia os negócios desta terça-feira, segundo dia útil de dezembro, esboçando a possibilidade de que o cenário interno reassuma o papel de melhor destino do que o internacional, colocado em dúvida nos últimos tempos.

Agência Estado |

A desvalorização cambial foi uma das piores conseqüências do agravamento da crise internacional no ambiente econômico doméstico e a perspectiva de maior estabilidade em fluxos e cotações no curto prazo seria alentadora para a remontagem das expectativas para 2009.

No mercado interbancário de câmbio, o primeiro negócio hoje teve o dólar comercial cotado a R$ 2,316, baixa de 0,13% em relação a ontem. Às 10h07, logo após o início das negociações, o dólar ampliava a baixa a 0,65% a R$ 2,304.

Porém, depois das consecutivas surpresas desagradáveis na economia global, recentemente, os agentes econômicos estão desconfiados e será preciso mais, para que esses sinais se transformem em apostas maiores no mercado brasileiro de câmbio, capazes de inverter a tendência de alta das cotações do dólar. Até porque, de fora continuam chegando notícias ruins. Ontem mesmo, houve dados de contração espalhados pelo mundo e os EUA admitiram oficialmente que estão em recessão desde o final de 2007.

De qualquer forma, os investidores estarão alertas para eventuais movimentos favoráveis no mercado de câmbio e a perspectiva é de que os momentos de alívio nas transações com moeda norte-americana se tornem mais freqüentes, embora a sensibilidade ao noticiário negativo permaneça. Ontem, um especialista dizia à Agência Estado que o ápice da tensão e da volatilidade passou, mas alertava que a liquidez dos negócios ainda não voltou aos níveis habituais. Mostra disso é o volume negociado na segunda-feira, de US$ 1,53 bilhão, compatível com as transações de metade de um pregão, nos melhores tempos deste ano.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG