O dólar comercial abriu em alta de 0,32% hoje, cotado a R$ 1,568 no mercado interbancário de câmbio. Ontem, o dólar comercial fechou em alta de 0,06%, a R$ 1,563.

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), às 10h20, o dólar à vista era cotado a R$ 1,576 (+ 0,90%).

O mercado internacional amanhece tranqüilo, com o petróleo em queda (abaixo de US$ 119 agora há pouco) estimulando o desempenho das Bolsas internacionais. As matérias-primas (commodities) metálicas seguem o mesmo curso. No Brasil, no entanto, esse cenário prejudica o desempenho da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e afeta a cotação do dólar.

Ontem, as vendas das ações de primeira linha na Bovespa foram o principal motivo da sustentação das cotações da moeda norte-americana. A alta do dólar só não foi maior porque as instituições financeiras receberam uma quantidade significativa de recursos provenientes da negociação entre a MMX e a Anglo American. Outro fator é a posição comprada dos bancos que, desde o início de junho, vem suprindo a demanda por recursos decorrente das saídas de estrangeiros. Mas essas reservas estão perto do fim, já que saíram de mais de US$ 10 bilhões, para US$ 3,374 bilhões no último dia 24 de julho. Dessa forma, o mercado doméstico de câmbio deve olhar atentamente, antes de mais nada, o caminho que a Bovespa seguir nesta terça-feira. E o tom dos negócios deve ser de cautela.

Na agenda, o foco do dia é a reunião do Comitê de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fomc), que se reúne, devendo anunciar sua decisão de política monetária às 15h15 (de Brasília). A expectativa de consenso do mercado é de que a taxa básica de juros dos Estados Unidos seja mantida em 2,0%. Mas, ainda que essas perspectivas sejam estejam corretas, o comunicado que acompanha a decisão merecerá todas as atenções dos analistas. Por aqui, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, participa da abertura de seminário promovido pela Associação e Sindicato dos Bancos do Rio de Janeiro, que terá como tema “Grau de Investimento, um novo ciclo para o Brasil”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.