Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar cai pelo 4º dia seguido e fecha a R$ 2,103

O mercado de câmbio doméstico operou com volatilidade, mas a moeda americana encerrou em queda pelo quarto dia consecutivo. O dólar comercial cedeu 1,73%, para R$ 2,103, depois de oscilar entre R$ 2,101 e R$ 2,13, sempre em baixa ante a cotação de encerramento dos negócios ontem.

Agência Estado |

Apesar de ter caído 9,63% em quatro dias, o dólar comercial ainda apura alta de 10,57% em outubro e de 18,48% em 2008. Na BM&F, o dólar negociado à vista recuou 1,77% e terminou a sessão valendo R$ 2,104.

A volatilidade aconteceu porque amanhã é dia de formação da ptax (taxa média) de fim de mês, que será usada na liquidação dos contratos futuros de dólar para novembro, na segunda-feira. E as oscilações vistas no mercado futuro de dólar acabaram se refletindo no mercado cambial à vista.

Além disso, pesou sobre a cotação da moeda a venda de US$ 1,839 bilhão pelo Banco Central em leilões de swap cambial e de venda com compromisso de recompra, realizados hoje. Por fim, a manutenção do sinal de alta nas bolsas de valores propiciou o cenário positivo para o quarto dia seguido de depreciação do dólar ante o real.

"O swap de até US$ 30 bilhões acordado entre o Fed e o BC reforçou a munição da autoridade monetária contra a pressão cambial, o que foi muito bem-recebido pelo mercado. Como são certas novas atuações do BC e o mercado externo está conseguindo sustentar uma recuperação técnica, a demanda interna por moeda diminuiu, favorecendo o declínio das cotações", disse um operador de uma corretora paulista. Contudo, a volatilidade marcou a sessão por causa do fator técnico das rolagens de contratos futuros, afirmou.

O BC anunciou ontem uma linha de swap (troca) entre dólares e reais com o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), no valor de US$ 30 bilhões. O Fed anunciou a criação de linha igual também com o México, a Coréia do Sul e Cingapura.

No mercado doméstico brasileiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC decidiu ontem manter a taxa Selic em 13,75% ao ano. E o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, informou hoje que as atuações da autoridade no mercado de câmbio para enfrentar os problemas de liquidez somaram US$ 32,8 bilhões até 28 de outubro. Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Meirelles informou ainda que, no âmbito do enfrentamento da crise de liquidez em reais, o BC já promoveu até 28 de outubro uma redução de R$ 51 bilhões no recolhimento do depósitos compulsórios.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG