Após ter subido em dez das 12 sessões deste mês, o dólar caiu com força hoje no mercado cambial brasileiro, reagindo ao persistente recuo da moeda ante o euro, com a divulgação de indicadores econômicos ruins nos Estados Unidos e a alta de matérias-primas, como o petróleo e os metais básicos. Esse cenário provocou um desmonte de apostas na alta do dólar feitas por investidores estrangeiros e locais no mercado futuro, o que conduziu as cotações no mercado à vista às mínimas do dia e também fortaleceu os volumes de negócios.

O fluxo cambial positivo ao País, com destaque para um ingresso financeiro de cerca de US$ 600 milhões de uma empresa do setor de energia e ofertas de exportadores no mercado à vista pela manhã teriam favorecido também o declínio da moeda, segundo operadores consultados. O dólar comercial cedeu 0,73% e fechou a R$ 1,627. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o dólar negociado à vista também encerrou o dia a R$ 1,627, em queda de 0,79%. O giro financeiro total à vista saltou 279%, para cerca de US$ 6,792 bilhões.

No mercado de dólar futuro da BM&F, os investidores ampliaram as apostas no declínio das cotações da moeda. ÀS 16h22, os sete vencimentos de dólar negociados projetaram taxas mais baixas. O dólar para setembro apontou recuo de 0,73%, a R$ 1,631.

Os investidores em geral reverteram as apostas contra o real no mercado futuro, estimulados pela queda externa do dólar ante o euro e a recuperação das commodities (matérias-primas), disse um operador de um banco estrangeiro. A disparada da inflação no atacado nos Estados Unidos em meio à desaceleração da atividade econômica em julho reforçaram o sentimento entre os participantes do mercado de que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) tende a não alterar a taxa básica de juro e só deverá elevá-la quando o pior da crise financeira chegar ao fim, disse a fonte. Essa perspectiva pesou contra o dólar e estimulou a demanda por commodities.

Nos EUA, a alta de 8,9% do índice de preços ao produtor em julho, a maior elevação anual em quase 27 anos, e a retração de 11% no nível de novas construções no mês passado, ao menor nível desde 1991, reforçaram o sentimento de aversão a risco, afetando em cheio as bolsas e o dólar em meio à persistente inquietação dos investidores com o setor financeiro do país. O temor é com a possibilidade de a inflação acabar prejudicando o já fraco crescimento econômico nos EUA. E a subida das commodities tende a piorar as expectativas inflacionárias.

Ajudaram ainda a deteriorar o humor os alertas do ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Kenneth Rogoff de que um grande banco dos EUA ou banco de investimento poderá quebrar nos próximos meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.