Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dólar cai 3,42% e fecha valendo R$ 2,253 na venda

SÃO PAULO - Pela primeira vez em mais de um mês o dólar caiu abaixo da importante barreira de R$ 2,30. Maior apetite por risco, entrada de recursos e menores apostas contra do real ajudam a explicar a queda.

Valor Online |

Depois de subir a R$ 2,344 na máxima do dia, o dólar comercial fechou em baixa de 3,42%, valendo R$ 2,251 na compra e R$ 2,253 na venda, menor preço desde 11 de novembro.

Na roda de "pronto" da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a divisa se desvalorizou 3,35%, fechando a R$ 2,2544. O giro financeiro somou US$ 277 milhões. Já no interbancário o movimento foi de aproximadamente US$ 1,284 bilhão.

Segundo o gerente de câmbio da Treviso Corretora de Câmbio, Reginaldo Galhardo, o investidores começam a desmanchar os cerca de US$ 13 bilhões em posições compradas (apostas contra o real) que mantêm no mercado futuro.

Um sinal da maior disposição para a oferta de dólar no mercado é que quando a taxa veio abaixo de R$ 2,30 muitos importadores entraram comprando moeda e, mesmo assim, o preço continuou caindo.

Ainda de acordo com o Galhardo, foi perceptível a entrada de recursos estrangeiros no mercado, refletindo uma melhora no apetite por risco.

Para o gerente da Treviso Corretora, a taxa deve oscilar entre R$ 2,20 e R$ 2,30 durante algum tempo, mas o dólar tende a se estabilizar na faixa dos R$ 2,10. "Em algum momento o fluxo de moeda vai aumentar. Temos um grande diferencial de juros e ainda existe a convicção de que a economia brasileira mantém fundamentos sólidos."
Galhardo também acredita que em breve as empresas devem retomar suas linhas de captação externa e os exportadores devem marcar mais presença no mercado.

Uma indicação de que o oferta de dólar estava condizente com a demanda foi a ausência do Banco Central do mercado à vista. O BC atuou hoje por meio do leilão de linha, no qual vende moeda com compromisso de recompra futura. A autoridade monetária aceitou três propostas, colocando US$ 650 milhões.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG