Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Divisão de aviação da Rolls Royce registra lucro operacional de 272 milhões de libras no 1º semestre

SÃO PAULO - A divisão de aviação da Rolls Royce (RR) apresentou um aumento de 4% em seu lucro operacional no primeiro semestre, para 272 milhões de libras. O resultado foi obtido por conta do aumento nas entregas de motores para equipar jatos A320, fabricados pela européia Airbus.

Valor Online |

Segundo a companhia, embora a indústria de aviação civil não seja imune aos efeitos dos altos preços do petróleo, retração do crédito e desaceleração econômica, ela afirma que o impacto em sua própria atividade nessa área deverá ser mitigado por conta de particularidades de sua operação.

A empresa vê um mercado elástico nos segmentos de aeronaves de fuselagem larga e executivas, puxadas principalmente pelos atrasos nos programas do superjumbo A380 da Airbus e do 787 Dreamliner da Boeing. Com isso, a demanda por aeronaves hoje em atividade tem se fortalecido, afirma a RR.

A fabricante acrescenta que a baixa idade e a boa eficiência no uso de combustíveis dos aviões que utilizam seus motores reduz a possibilidade de serem substituídos, ao contrário do que ocorre com modelos mais antigos.

A maioria dos aviões que as companhias aéreas dizem que vão retirar de operação são aparelhos de fuselagem estreita ou com mais de 20 anos de uso, afirma a fabricante. Ela ressalta que seus motores equipam menos de 10% das frotas atuais de aviões de fuselagem estreita e mais antigos.

Nos seis primeiros meses do ano, as vendas da divisão aeronáutica da companhia aumentaram 4,5%, para 2,1 bilhões de libras. Nesse intervalo, a RR recebeu pedidos firmes com valor total superior a 8 bilhões de libras, elevando sua carteira para 42,1 bilhões de libras.

A Rolls Royce entregou entre janeiro e junho 462 motores a jato, contra 421 entregues no primeiro semestre de 2007. Embora as entregas de motores para aviões de fuselagem larga tenham recuado ligeiramente, a empresa afirma que espera que as vendas cresçam solidamente nos seis meses até dezembro.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG