Tamanho do texto

A dívida mobiliária federal interna (títulos públicos negociados no mercado interno) caiu 3,05% em janeiro, para R$ 1,355 trilhão de reais, mostraram dados do Tesouro Nacional nesta segunda-feira. Contudo, o perfil da dívida piorou: aumentou a participação atrelados aos juros - aqueles que deixam o País mais vulnerável às oscilações das taxas.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561225673&_c_=MiGComponente_C

De acordo com dados do Tesouro, no mês houve resgate de R$ 54,4 bilhões. A dívida foi impactada, ainda, por apropriação de juros no valor de R$ 11,72 bilhões.

Perfil da dívida

Sobre o perfil da dívida, o Tesouro informou que a parcela dos papéis prefixados, considerados melhores para o gerenciamento da dívida, caiu para 29,58% do total em janeiro, frente a 33,71% no mês anterior.

Os títulos atrelados à Selic aumentaram sua participação para 38,15% do total, incluindo os contratos de swap (troca de títulos), frente a 35,77% em dezembro.

No mesmo período, a participação dos títulos atrelados ao câmbio aumentou para 0,78%, ante 0,70% do total no mês anterior, enquanto a dos papéis atrelados a índices de preços subiu para 30,26%, frente a 28,61% do total em dezembro.

A dívida pública federal, incluindo também o endividamento externo do país, caiu 2,65% no primeiro mês do ano, para R$ 1,457 trilhão de reais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.