Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Disputa entre produtores faz leilão de trigo ter ágio de 508%

São Paulo, 04 - Com a fraca demanda por trigo no mercado interno, produtores do Sul do País disputaram hoje subsídio e garantia de preço assegurados pelo governo nos leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (PEP) e de contratos de opção pública de venda para trigo, realizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Pelo direito de receber R$ 537 a tonelada em 30 de abril de 2009, produtores do Paraná pagaram ágio de 508% sobre o prêmio.

Agência Estado |

O valor de abertura era de R$ 72,50 pelo contrato de 27 toneladas e fechou a R$ 441,00. No Rio Grande do Sul, também houve disputa, mas menor. O prêmio fechou a R$ 127,00, 75% acima do valor de abertura. Nesta semana, os preços de mercado são de R$ 460 a tonelada no Paraná e de R$ 400 a tonelada no Rio Grande do Sul.

Os dois Estados respondem por mais de 90% da produção nacional de trigo e neste ano colhem safra recorde, de quase 5 milhões de toneladas. Mas com a colheita praticamente encerrada - 98% da área no Paraná e cerca de 90% no Rio Grande do Sul - não encontram compradores para o cereal. Os moinhos alegam restrição de crédito e produto ainda em estoque para postergar as compras. Com isso, os leilões do governo viraram a principal opção de comercialização para produtores e cooperativas.

No leilão de contratos de opção de venda futura, o governo fixa um preço para uma determinada data - em geral períodos de entressafra - quando se propõe a comprar o trigo dos produtores se estes ainda estiverem interessados em exercer a opção de venda, negociada hoje. Na ocasião, o preço do trigo no mercado vai determinar a escolha em exercer a opção.

Foram ofertados hoje 2 mil contratos para o Paraná, 3.705 contratos para o Rio Grande do Sul, 400 contratos para Santa Catarina, 75 para Goiás, 150 para o Mato Grosso do Sul, 180 para Minas Gerais e 500 para São Paulo. Foram arrematados todos os contratos oferecidos nos Estados, exceção do Mato Grosso do Sul, com negociação de 133 dos 150 contratos, de São Paulo, com 27 dos 500 contratos, e de Minas Gerais, onde os produtores não se interessaram pelos 180 contratos oferecidos. Só houve ágio no Paraná e no Rio Grande do Sul. Considerada a oferta total de 7.010 contratos, foram negociados 6.340, ou 90,44%.

PEP

Também houve disputa no leilão de Prêmio para Escoamento de Produto (PEP) e, novamente, o interesse foi maior pelo trigo do Paraná. O subsídio de frete concedido pelo governo para que o trigo seja transferido para o Nordeste era de R$ 178 a tonelada, mas encerrou o leilão a R$ 168 a tonelada. O governo ofereceu subvenção para 30 mil toneladas de trigo do Paraná e 70 mil toneladas do Rio Grande do Sul.

Foi arrematado prêmio equivalente ao volume total ofertado no Paraná e a 50 mil das 70 mil toneladas oferecidas no Rio Grande do Sul, ou seja, 80% da oferta total de 100 mil toneladas nos dois Estados. No caso do trigo gaúcho, não houve deságio sobre o prêmio.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG