Tamanho do texto

Assunção, 5 mai (EFE).- Os responsáveis pela usina hidroelétrica binacional de Itaipu percorrerão nesta quinta-feira as áreas onde será construída uma linha de transmissão elétrica entre a represa até o noroeste de Assunção, informaram hoje fontes oficiais.

Assunção, 5 mai (EFE).- Os responsáveis pela usina hidroelétrica binacional de Itaipu percorrerão nesta quinta-feira as áreas onde será construída uma linha de transmissão elétrica entre a represa até o noroeste de Assunção, informaram hoje fontes oficiais. O chanceler paraguaio, Héctor Lacognata, disse a jornalistas que os diretores-gerais de Itaipu, o paraguaio Gustavo Codas e o brasileiro Jorge Samek, visitarão a região por onde passará a linha de transmissão de 500 quilowatts entre Itaipu e Villa Hayes, cidade próxima a Assunção. O chanceler, que participou de uma reunião com Codas e Samek em Assunção, reiterou que essa obra será financiada pelo Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem). O anúncio sobre o tipo de financiamento da obra foi feito na terça-feira passada por Lacognata, um dia depois da reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega paraguaio, Fernando Lugo, em Ponta Porã (MS), na fronteira com o Paraguai. Lula fez a nova proposta de financiamento em contraposição ao compromisso assumido em um acordo assinado com Lugo em 25 de julho de 2009 em Assunção segundo o qual o Brasil se comprometia a pagar por essas obras. O início dos trabalhos está previsto para 25 de julho, quando Lula e Lugo voltarão a se encontrar, desta vez em Villa Hayes. A obra da linha de transmissão é de US$ 400 milhões e deverá ser concluída em dezembro de 2012, segundo Lacognata, que lembrou na terça-feira que o Paraguai "usa 5% de sua parte em Itaipu". Na declaração conjunta assinada por Lula e Lugo em julho de 2009, o Governo brasileiro também tinha se comprometido a triplicar os pagamentos recebidos pelo Paraguai pela cessão da energia gerada em Itaipu que não consome. Entretanto, essa e outras concessões, como a possibilidade de que o Paraguai negocie diretamente a energia excedente no sistema elétrico do Brasil, ficaram submissas à aprovação no Congresso brasileiro. Agora à noite, a Comissão do Mercosul na Câmara dos Deputados aprovou o acordo que prevê triplicar os pagamentos anuais feitos pelo Brasil ao Paraguai pela cessão de energia da usina de Itaipu. A proposta deverá ser analisada por outras três comissões da Câmara - Relações Exteriores, Finanças e Tributação e Constituição, Justiça e Cidadania. Caso seja aprovada, segue para o Senado. Assinado em julho passado por Lula e Lugo, o acordo prevê que o Brasil pague US$ 360 milhões pela energia produzida em Itaipu que recebe do Paraguai - o valor anterior é de US$ 120 milhões. Em um de seus 31 pontos, o acordo também estabelece a possibilidade de o Paraguai comercializar seu excedente de energia diretamente no sistema elétrico brasileiro ou sua venda a terceiros países. O tratado constitutivo da represa prevê que cada país tem direito a 50% da energia produzida e que a eletricidade não utilizada deve ser vendida ao outro parceiro a preço de custo. O Legislativo paraguaio já completou o trâmite da votação, um requisito necessário para a entrada em vigor da revisão do tratado da usina. EFE rg-mp/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.