Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Diretores da Alitalia são investigados por quebra da empresa

Roma, 17 dez (EFE).- A Procuradoria de Roma investiga os diretores da companhia aérea Alitalia entre 2000 e 2007 por um suposto envolvimento na falência da empresa, em uma operação iniciada após a declaração de insolvência da companhia em agosto passado.

EFE |

Os procuradores encarregados do caso investigam os presidentes da Alitalia nesse período: Fausto Cereti (1996-2003), Giuseppe Bonomi (2003-2004), Giancarlo Cimoli (2004-2007) e Bernardino Libonati (2007), informaram hoje fontes da Procuradoria romana.

Entre os investigados também estão os executivos-chefes da companhia durante esses sete anos: Domenico Campella (1996-2001), Francesco Mengozzi (2001-2004), Marco Zanichelli (2004) e Giancarlo Cimoli (2004-2007).

Representantes da Procuradoria de Roma foram hoje à sede da companhia aérea na capital italiana para recolher mais documentação e depoimentos dos dirigentes de alguns dos departamentos da empresa aérea, hoje em propriedade da Companhia Aérea Italiana (CAI).

Entre os documentos recolhidos pela Procuradoria se encontram os relativos a uma série de compras e vendas que a companhia fez em 2006, entre elas a aquisição da companhia aérea de baixo custo Volare e 13 aviões da EuroFly.

A Procuradoria investiga, além disso, as possíveis contradições que podem ter acontecido na política de contratação e demissão da companhia aérea em 2000, umas vez que a investigação não abrange os movimentos registrados na companhia após sua declaração de insolvência durante o período de administração extraordinária.

Nos últimos dias, o comissário extraordinário da Alitalia, Augusto Fantozzi, falou perante a Procuradoria de Roma da relação de causas oficiais que levou a Alitalia a declarar insolvência.

Fantozzi assumiu seu atual cargo depois que a companhia aérea pedisse, em 29 de agosto, poder declarar o estado de insolvência e passar a uma administração extraordinária para sair da crise financeira na qual se encontrava. EFE mcs/rr

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG