Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Dilma lamenta atraso em obras da usina de Jirau

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, lamentou nesta quinta-feira a paralisação judicial que culminou no adiamento do início das obras da Usina Hidrelétrica de Jirau. Segundo a ministra, Jirau é uma das obras mais importantes do governo. ¿Ela deveria ser entregue com um ano de antecedência, mas, com a paralisação, todo o cronograma de implementação e funcionamento pode ser prejudicado¿, disse.

Carollina Andrade - Último Segundo/Santafé Idéias |

Na semana passada, o Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS) obteve uma liminar na Justiça para suspender os efeitos de licença ambiental liberada no mês passado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para a instalação de um dique e do canteiro de obras. A entidade contesta o fato de a licença permitir apenas parte das obras e não a totalidade do empreendimento.

Dilma comentou ainda que o processo de implantação de uma termelétrica é mais fácil e rápido do que de uma hidrelétrica, pois, segundo ela, não existem paralisações judiciais contra este tipo de obras. Em contrapartida, a ministra ressaltou que o governo tem grande preocupação com o uso de termelétrica para a geração de energia. A nossa preocupação é em não deixar sujar a matriz, pois termelétricas utilizam diesel e óleo combustível para funcionar, disse.

Em outubro a Vale conseguiu uma licença no estado do Pará para implantar uma termelétrica na região de Pacarena. O motivo seria o receio de que haja um apagão energético em 2012, com o atraso de obras como as Usinas de Santo Antônio, de Jirau e de Belomonte.

A construção de Usina de Jirau envolve um embate entre as duas empresas que participaram da licitação. O grupo liderado pela Suez venceu a disputa ao apresentar projeto que, pela mudança do eixo da obra em nove quilômetros do Rio Madeira, apresentou melhores condições de preço que a concorrente Odebrecht. A alteração é contestada em várias ações na Justiça.

Leia mais sobre Jirau

Leia tudo sobre: jirau

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG