A um público empresarial, a ex-ministra e pré-candidata à Presidência pelo PT, Dilma Rousseff, defendeu hoje a criação de um órgão para cuidar especificamente de micro, pequenas e médias empresas. O proposta foi feita ao final de palestra na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), quando respondeu a algumas perguntas do público.

A um público empresarial, a ex-ministra e pré-candidata à Presidência pelo PT, Dilma Rousseff, defendeu hoje a criação de um órgão para cuidar especificamente de micro, pequenas e médias empresas. O proposta foi feita ao final de palestra na Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), quando respondeu a algumas perguntas do público. Como comparação positiva, disse que a criação do Ministério do Desenvolvimento Agrário - separando uma parte das atribuições do Ministério da Agricultura - ajudou a desenvolver a agricultura familiar.

Na palestra aos empresários, Dilma também sustentou que o principal desafio ao qual o governo teve de responder foi como desenvolver o País sem comprometer a estabilidade. "Encaramos os dois problemas, estagnação e desigualdade, e vencemos a esfinge que pesou sobre nosso País por mais de 25 anos", afirmou.

Ao avaliar que o resultado "não foi obra do acaso", Dilma considerou que foi construído em conjunto pelo setor público e privado. "É fruto dessa nossa capacidade de diálogo e interlocução, mas é também resultado de políticas consequentes, de decisões corajosas que só poderiam ser tomadas por quem tivesse compromisso sério com uma nova etapa de desenvolvimento", declarou.

A ex-ministra disse esperar que aumente a participação dos bancos privados nacionais e internacionais no financiamento aos projetos de infraestrutura. Ela argumentou que o Brasil precisará de grande quantidade de capital e tem condições de sustentar o "grosso" do processo, mas é importante a diversificação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.