Finalmente as variações negativas registradas pelos indicadores de preços, especialmente os voltados para o consumidor, chegaram na cesta básica que o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) calcula mensalmente em 16 capitais do País. Em agosto, por exemplo, o preço da alimentação básica ficou mais baixo em 15 das 16 capitais pesquisadas.

Este movimento é diametralmente contrário ao que se verificou em julho, quando o preço da cesta básica sofreu aumento em 14 das praças que fizeram parte do levantamento do Dieese.

O que explica esta mudança de comportamento são os preços de alguns produtos importantes na dieta do consumidor, cujas quedas ou desacelerações em julho ainda não tinham sido capturadas pelo levantamento do Dieese, como a carne bovina. Em agosto, por exemplo, os preços da carne bovina, do feijão, do arroz, do tomate, entre outros, fecharam em queda. Em julho, os mesmos produtos ainda tinham sofrido aumentos em seus respectivos preços.

Das 16 capitais que compõem o Índice Cesta Básica do Dieese, apenas em Goiânia foi apurado aumento em agosto. A variação foi de 1,15%. As quedas acima de 10,00% foram em Recife (-10,77%), Natal (-10,73%), Fortaleza (-10,59%) e Rio de Janeiro (-10,56%). As menores quedas, de acordo com os técnicos do Dieese, foram apuradas em Belém (-2,27%) e Brasília (-3,18%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.