Tamanho do texto

O Deutsche Bank, maior banco da Alemanha em capitalização de mercado, confirmou prejuízo líquido de 4,8 bilhões no quarto trimestre de 2008 e de 3,9 bilhões em todo o ano por causa das difíceis condições de mercado. Foi o primeiro prejuízo anual do grupo desde a 2ª Guerra.

O banco já havia preanunciado os números no dia 14.

O banco sofreu baixas contábeis de 900 milhões no quarto trimestre, que contribuíram para um prejuízo antes de impostos de 5,7 bilhões, mas disse que vai se ater a seu atual modelo de operação apesar da crise financeira. O grupo não apresentou perspectiva de resultados para este ano, algo ansiosamente aguardado por analistas e participantes de mercado.

A receita do grupo caiu 56%, para 13,5 bilhões. O índice de capital Tier 1 foi de 10,1%. O índice é uma medida da solidez financeira e é monitorado por analistas porque indica o quanto os bancos estão equipados para lidar com a crise. "O único ponto positivo foi que o banco não anunciou aumento de capital, como temiam alguns", disse um operador.

Segundo o executivo-chefe do Deutsche, Josef Ackermann, o colapso de outro banco, como ocorreu com o americano Lehman Brothers, é improvável. Ele espera que o setor de banco de investimento global irá crescer nos próximos anos, mas que a companhia não pode prever seus resultados no primeiro trimestre. O Deutsche informou ainda que é contra a transferência de ativos para um "banco ruim" e não vai apoiar um financeiramente.