Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Desempenho positivo da HP puxou alta da ações em Nova York ontem

SÃO PAULO - As bolsas de valores americanas protagonizaram forte virada no final da sessão desta terça-feira após resultados melhores que o esperado da fabricante de computadores Hewlett-Packard (HP) ofuscarem as preocupações de mais perdas do Citigroup e outros bancos. O índice Dow Jones teve alta de 1,83%, a 8.

Valor Online |

424 pontos. O Standard & Poor´s 500 subiu 0,98%, a 859 pontos. O Nasdaq teve leve avanço de 0,08%, a 1.483 pontos. As ações oscilaram durante toda a sessão.

A HP ajudou o Dow a se erguer após o resultado da fabricante de computadores ressaltar a sua resistência frente à crise econômica. A HP saltou quase 15%.

" Existe otimismo de que essas baixas estão se mantendo e então nós temos algumas oportunidades de altas aqui " , afirmou Richard Sparks, analista sênior da Schaeffer´s Investment Research. " Não temos boas notícias além da Hewlett Packard. "
As ações do Citigroup caíram 6% para 8,36 dólares, atingindo o menor patamar em 13 anos, com preocupações de que o plano de cortar 52 mil empregos pode não ser o suficiente para que o segundo maior banco dos Estados Unidos retome a saúde financeira.

Os mercados europeus de ações fecharam em alta nesta terça-feira, em uma sessão volátil. As bolsas foram ajudadas por ganhos no setor de energia e por rali em Wall Street após resultados positivos da HP. O índice FTSEurofirst 300 das principais ações européias fechou em alta de 0,95%, a 845 pontos.

Ações do setor petrolífero foram as que somaram mais pontos ao índice, à medida que o petróleo negociado em Nova York estava acima de US$ 55,50 por barril.

Papéis de empresas farmacêuticas, vistos como investimentos defensivos, também registraram valorização, com GlaxoSmithKline e Novartis em alta.

Em Londres, o índice Financial Times fechou em alta de 1,85%, a 4.208 pontos. O DAX, de Frankfurt, avançou 0,49%, para 4.579 pontos. Também subiram as bolsas de Paris (1,11%), Milão (0,24%), Madri (0,38%) e Lisboa (0,06%).

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG