RIO - A desaceleração da inflação medida no segundo decêndio de abril pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) não aponta para uma mudança no cenário inflacionário deste início de ano. No segundo decêndio de abril, o IGP-M subiu 0,50%, contra 0,91% em igual período do mês anterior.

RIO - A desaceleração da inflação medida no segundo decêndio de abril pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) não aponta para uma mudança no cenário inflacionário deste início de ano. No segundo decêndio de abril, o IGP-M subiu 0,50%, contra 0,91% em igual período do mês anterior. De acordo com Salomão Quadros, coordenador de análises econômicas do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), as oscilações mensais são normais e não alteram a expectativa de alta dos juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). "O resultado não altera o cenário. Esperava-se que os alimentos desacelerassem no varejo, o que não aconteceu. E não estamos falando só dos''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''in natura'''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''', mais de carnes também, o que é fruto da demanda interna e externa", frisou Quadros. Entre os dias 21 de março e 10 de abril, período da coleta, os alimentos apresentaram alta de 1,57% dentro do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que representa 30% do IGP-M. O resultado ficou muito próximo dos 1,55% registrados no segundo decêndio de março. Os laticínios no varejo subiram 4,26% no segundo decêndio de abril, contra 1,57% em igual período de março, enquanto o feijão carioquinha avançou 23,44%, depois de uma queda de 3,22% no segundo decêndio de março. Já as carnes bovinas passaram de um recuo de 0,48% para uma alta de 1,61%. Quadros explicou que a desaceleração do IPC, que passou de 0,64% na segunda coleta de março para 0,50% agora, ficou toda concentrada nos transportes, que passaram de uma alta de 0,66% para uma queda de 0,64%. O economista destacou que os reajustes de ônibus urbanos perderam força em abril, embora registrem alta de 10,92% no ano. Além disso, o retrocesso dos combustíveis derrubou os preços dos transportes. O álcool combustível passou de uma alta de 0,77% para uma queda de 13,82%, enquanto a gasolina passou de um avanço de 0,49% para um recuo de 0,75%. No Índice de Preços do Atacado (IPA), que responde por 60% do IGP-M, a desaceleração foi mais pronunciada, com alta de 0,38%, depois de um avanço de 1,10% no segundo decêndio de março. Quadros ressaltou a queda das matérias-primas brutas, com baixa de 0,44%, contra uma alta de 1,61% na segunda coleta do mês passado. O principal destaque foi a laranja, beneficiada pelo fim dos efeitos das geadas na Flórida, com queda de 15,81%, contra 28,39% no segundo decêndio de março. A cana de açúcar recuou 1,22%, depois de uma alta de 2,70%, fruto do início da safra; enquanto as aves passaram de uma alta de 0,26% para uma queda de 2,91%, o que reflete os efeitos das quedas de 24,54% da soja e de 8,90% do milho este ano sobre os preços das rações. Os bens finais passaram de 0,91% na segunda coleta de março para 0,57% agora, puxados pelo tomate, que recuou 6% depois de uma alta de 63,67% em igual período do mês passado. Já os bens intermediários subiram 0,72%, contra 0,97% na segunda coleta de março. Neste grupo, destaque para os fertilizantes, com queda de 0,46%, contra avanço de 6,34% em igual período de março. No Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), que responde por 10% do IGP-M, o reajuste da mão de obra contribuiu para a alta de 1,25%, contra 0,37% no mês passado. Quadros chamou a atenção para o reajuste cheio da data-base no Rio de Janeiro, a antecipação do reajuste em Porto Alegre e os resquícios do aumento de março em Salvador. (Rafael Rosas | Valor)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.