SÃO PAULO - A liquidação dos contratos de Credit Default Swaps (CDS) - derivativos de crédito - ligados ao Lehman Brothers ocorreu sem que houvesse inadimplência entre as instituições que participaram do processo. Em vez de haver uma acerto direto entre as partes, a Depository Trust & Clearing Corporation (DTCC), por meio da sua divisão de renda fixa, prestou serviço de compensação para a execução dos pagamentos.

"Nenhuma perda será imposta às firmas membras da área de títulos ligados a hipotecas como resultado da liquidação destes contratos", afirmou a DTCC, em nota.

Por este sistema, em vez de cada instituição pagar tudo o que deve e depois receber tudo o que tem direito, existe apenas uma liquidação pela diferença, o que reduz o risco de todo o processo.

Para assegurar que não houve qualquer erro na compensação, a DTCC pediu aos participantes que reenviem seus documentos para uma checagem final dos números até esta quinta-feira, dia 23.

Esta liquidação estava trazendo insegurança ao mercado, já que o valor nocional dos CDS ligados ao Lehman era avaliado em US$ 400 bilhões. No entanto, estima-se que o montante realmente desembolsado para liquidar a diferença de posições seja bem menor, em torno de US$ 6 bilhões a US$ 8 bilhões.

Processos semelhantes devem ocorrer em breve com os CDS do Washington Mutual e de três bancos da Islândia, que também quebraram.

Antes da liquidação financeira, ocorreu no último dia 10 um leilão para definir o preço de referência das dívidas do Lehman Brothers que foi usado para a liquidação dos CDS relacionados com o banco, que entrou em concordata no último dia 15 de setembro.

O preço determinado para os papéis de dívida do Lehman ficou acertado em 8,625% do valor de face, o que significa que quem vendeu CDSs - que equivalem a uma proteção contra o risco de o banco quebrar - teve que pagar a quem comprou o seguro a diferença até os 100%.

O processo ocorreu de maneira "suave a eficiente", disse naquele dia Robert Pickel, executivo-chefe da International Swaps and Derivatives Association (ISDA), entidade que representa os bancos e instituições financeiras que participam desse mercado e que coordenou a liquidação.

Procedimentos semelhantes foram usados para a liquidação dos CDSs da Fannie Mae e Freddie Mac, entre outros casos.

Segundo Pickel, a maioria dos vendedores de CDS já marca a preços de mercado sua posição e boa parte das margens de garantia já estavam depositadas.

(Fernando Torres | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.