O banco americano Lehman Brothers, que registrou prejuízo da ordem de US$ 3,9 bilhões no terceiro trimestre, anunciou nesta quarta-feira uma série de medidas para consolidar suas finanças, um dia depois da queda vertiginosa de sua ação na Bolsa de Valores de Nova York.

O menor banco de negócios de Wall Street, derrubado pela crise do crédito imobiliário, apresentou imediatamente quatro medidas, essencialmente vendas de ativos, mas ainda não anunciou a aliança com um parceiro potente esperada pelos mercados.

O estabelecimento não conseguirá, portanto, de imediato os capitais tão esperados, mas a execução de seu plano deve se traduzir por "contas bens transparentes, uma redução do risco e um redimensionamento do grupo", indicou seu presidente, o enérgico Richard Fuld, em conferência por telefone.

Horas mais cedo, o banco coreano KDB confirmou ter encerrado as discussões sobre a aquisição de uma parte do capital do Lehman.

Tal injeção de fundos, esperada num valor de US$ 4 bilhões, teria permitido ao banco americano enxugar uma parte dos US$ 7,8 bilhões de desvalorizações de suas contas do terceiro trimestre.

Sobre a possibilidade de uma recompra do Lehman, que ainda vale US$ 5,5 bilhões na Bolsa, Fuld garantiu "não ter mudado de opinião": "Se alguém nos fizer uma oferta tentadora, vamos discutir com o conselho de administração".

O estabelecimento, que tem 158 anos de existência e perdeu mais de 50% de seu valor nas duas últimas sessões da Bolsa, se disse disposto a estudar todas as outras estratégias possíveis.

Estes anúncios, que acompanharam a publicação de uma perda trimestral bem pior que a esperada de 3,9 bilhões, não convenceram os mercados: a ação oscila entre o vermelho e o verde em Wall Street.

"Os investidores estão esperando um comprador ou um parceiro", comentou Jeffrey Ham, analista do site Briefing. Segundo ele, "colocar ativos à venda é fácil, encontrar compradores para ele é menos fácil".

"A incapacidade do Lehman de encontrar um investidor ou um comprador é um sinal da disconfiança que paira sobre a empresa", completou.

A direção do Lehman Brothers explicou que agiu com determinação para reduzir sua exposição ao mercado do crédito imobiliário de alto risco. Sua carteira no setor imobiliário residencial foi reduzida em quase 50% entre fim de maio e fim de agosto, para US$ 13,2 bilhões.

Outra medida importante, o grupo colocou à venda sua participação majoritária de suas atividades de gestão de ativos, de gestão de fortuna e de investimento, esperando uma mais valia de mais de US$ 3 bilhões.

O Lehman vai também transferir a ampla maioria de seus ativos, entre US$ 25 e US$ 30 bilhões, no imobiliário comercial a uma nova empresa independente e cotada na Bolsa, cujas ações serão distribuídas a seus acionistas atuais.

O banco vai também reduzir praticamente a nada seu dividendo anual, fixado a US$ 0,05, contra US$ 0,68 até aqui, esperando assim economizar US$ 450 milhões de dólares por ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.