Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Depois do pânico de ontem, Bovespa deve iniciar negócios em alta

SÃO PAULO - Um dia depois do pânico vivido pelos mercados mundiais, que levou o dólar a subir mais de 5% e o Ibovespa a despencar 6,4% na máxima do dia, o pregão desta sexta-feira deve ter um início positivo. A sinalização é dada pelo Ibovespa futuro, que avançava, há pouco, 0,78%, aos 64.

Valor Online |

400 pontos. A tensão dos mercados foi desencadeada pelo aumento das preocupações com a crise grega, principalmente depois de o Banco Central Europeu (BC) anunciar a decisão de não comprar títulos da Grécia no mercado secundário. O medo de contágio da crise para outros países da região, somado a possíveis erros em ordens de venda e maior tensão no sistema bancário americano, levou o índice Dow Jones a despencar 9,12% na mínima diária. As entidades reguladoras dos mercados de ações e de contratos futuros de commodities dos Estados Unidos - Commodity Futures Trading Commission (CFTC) e a Securities and Exchange Commission (SEC) - informaram na noite de ontem que investigarão as operações realizadas na tarde de quinta-feira no mercado americano. As entidades afirmam ainda que vão trabalhar em conjunto com as bolsas de valores para tomar medidas adequadas para proteger os investidores de acordo com as regras do mercado. A Bolsa de Valores de Nova York (Nyse, na sigla em inglês), confirmou que houve "várias negociações erradas" durante o pregão. No Brasil, o Ibovespa chegou a perder 4.140 pontos no momento mais crítico do pregão, mas encerrou com queda de 2,31%, aos 63.414 pontos. O giro financeiro movimentado correspondeu a R$ 10,636 bilhões. Nesta sexta-feira, o mercado inicia os negócios sabendo que os congressistas alemães aprovaram a participação do país no pacote de resgate à Grécia. Os parlamentares autorizaram a concessão de 22,4 bilhões de euros (US$ 28,6 bilhões) em créditos ao longo de três anos. O montante é parte do pacote de 110 bilhões de euros que serão concedidos por integrantes da zona do euro e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Além disso, os dados de emprego americano vieram bem melhores que o esperado. Foram criados 290 mil postos de trabalho em abril. Já a taxa de desemprego avançou para 9,9% no mês passado, após ficar em 9,7% nos três primeiros meses deste ano. Pela manhã, os índices futuros americanos subiam, depois de três pregões de baixa, enquanto as bolsas europeias não tinham direção definida. Na Ásia, as bolsas refletiram os abalos sentidos peloas mercados ontem e encerraram a sessão em terreno negativo. O índice Shanghai Composite, de Xangai, cedeu 1,87%, aos 2.688 pontos, enquanto o Hang Seng, de Hong Kong, diminuiu 1,06%, ficando em 19.920 pontos. Já o Kospi, de Seul, teve contração de 2,21%, aos 1.647 pontos, e o Nikkei 225, da Bolsa de Tóquio, perdeu 3,10%, para 10.364 pontos. Em uma operação de emergência realizada com o intuito de dar liquidez para o mercado, o Banco do Japão (BOJ, na sigla em inglês) colocou à disposição das instituições financeiras 2 trilhões de ienes (US$ 22,5 bilhões). Aa autoridade monetária japonesa visa "aumentar a sensação de segurança nos mercados por meio da oferta de amplos recursos" em meio ao temor global com a crise da dívida da Grécia e com o possível contágio a outros países. Na temporada de balanços nacionais, a Light informou que registrou lucro líquido de R$ 120,6 milhões no primeiro trimestre, uma redução de 28,4% ante o lucro de R$ 168,3 milhões apurado no mesmo período de 2009. No setor de construção, tanto MRV quanto PDG Realty mais que dobraram o lucro em relação ao mesmo período de 2009. A MRV teve um ganho líquido de R$ 115,8 milhões, alta de 136%, enquanto a PDG apresentou lucro de R$ 136 milhões, uma elevação de 153%. Já a Souza Cruz encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 334,729 milhões, uma redução de 24,5% frente aos R$ 443,346 milhões apurados no mesmo período do ano passado. No mercado de câmbio, após três sessões seguidas de alta, o dólar opera em baixa. Há pouco, a moeda americana caía 0,75%, a R$ 1,835 na venda, enquanto o contrato futuro de junho cedia 1,01%, para R$ 1,845. (Beatriz Cutait | Valor)

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG