Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Demanda de etanol deve crescer 150%

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) prevê crescimento de 150% na demanda de etanol no Brasil até 2017, que passaria dos 25,5 bilhões de litros para 63,9 bilhões de litros. Para atingir esse volume, serão necessários, segundo a EPE, investimentos entre US$ 20 bilhões e US$ 25 bilhões, valor que toma como base a construção de 246 usinas.

Agência Estado |

O presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, não vê dificuldades para que o montante seja alcançado. Isso porque as unidades para produzir quase a metade do volume necessário para atingir a meta estão em construção ou já foram instaladas.

Ele explica que o uso do etanol no setor automotivo será o principal fator que sustentará o incremento da demanda. O estudo prevê que o etanol represente em 2017 80% do volume total de combustíveis líquidos consumidos nos veículos leves no País. Hoje, esse porcentual gira na casa dos 30%.

Segundo o presidente da EPE, o resultado do estudo sobre a previsão de oferta e demanda de etanol mostra que o governo foi conservador no Plano Nacional de Energia - 2030, lançado no ano passado. No estudo anterior, o País só demandaria 63 bilhões de litros de etanol em 2030, a meta para 2017 ficava em 45 bilhões de litros.

Tolmasquim afirma que o etanol vai continuar competitivo. O trabalho, explicou, leva em conta um barril do petróleo, em média, de US$ 85 até 2017. "O álcool é vantajoso para o consumidor se custar até 70% do preço da gasolina. Atualmente, pela média nacional, custa 59%. Não considero que vai ficar muito diferente disso."

A previsão de crescimento da demanda por etanol se sustenta na expansão da frota de veículos biocombustíveis no País. Segundo as projeções, a frota de veículos leves passará de 23,2 milhões em 2008 para 37,5 milhões em 2017.

O estudo prevê que as exportações de etanol dobrem no período, passando de 4,2 bilhões de litros para 8,2 bilhões de litros. "Quem vai puxar demanda externa é o Japão. Desses 8 bilhões, 3 bilhões serão para o Japão e achamos que se trata de projeção conservadora."

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG