O presidente da norte-americana Dell, Michael Dell, afirmou em uma conferência em Xangai, na China, que espera que os embarques da companhia cresçam mais rápido do que a média do setor neste ano e informou que a Dell pretende comprar empresas de tecnologia para permanecer competitiva. Mais cedo, Alex Yung, vice-presidente da Dell para China, disse que a empresa vai acelerar os investimentos em países emergentes.

Entre janeiro e setembro deste ano, a segunda maior fabricante de computadores do mundo, atrás apenas da Hewlett-Packard, superou a média das estimativas dos analistas para crescimento dos embarques. Dell disse esperar um desempenho similar para todo o ano, mas não forneceu maiores detalhes sobre esses dados. O executivo disse que a empresa "será uma das poucas sobreviventes" da atual crise do setor.

Dell informou que a companhia possui US$ 10 bilhões em caixa e vai usar esses recursos para comprar empresas do setor de tecnologia. No entanto, o executivo não especificou quais são os alvos de uma possível compra. Na conferência, Dell informou também que a companhia concluiu seu programa de demissões anunciado no ano passado. Afetada negativamente pela queda dos preços e da demanda, a Dell havia anunciado em 2007 que cortaria 8,8 mil vagas, cerca de 10% de sua força de trabalho, para reduzir custos.

No mês passado, a Dell havia afirmado que previa "mais desaceleração" na demanda mundial por computadores pessoais. Agora a empresa vai se concentrar mais em mercados em crescimento, como a China. Nesta manhã, Alex Yung afirmou que a empresa "vai acelerar seus investimentos em mercados emergentes, incluindo a China".

Yung disse que a Dell não prevê uma desaceleração da demanda por seus produtos na China continental, apesar do enfraquecimento da economia global. As vendas da Dell na China cresceram 33% no segundo trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, segundo Yung, que não forneceu dados específicos. A Dell gastou US$ 23 bilhões para comprar componentes na China no ano passado, acrescentou Yung.

A empresa está no meio de um esforço de recuperação, que começou no início do ano passado, quando seu fundador, Michael Dell, retornou à companhia como executivo-chefe depois de três anos fora do cargo. Durante a ausência de Dell, a empresa entrou em crise, perdendo sua posição como a maior fabricante de computadores do mundo em vendas para a concorrente Hewlett-Packard. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.