Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Declarações do secretário do Tesouro derrubaram bolsas internacionais

SÃO PAULO - As bolsas de Nova York fecharam em queda acentuada, acumulando o terceiro pregão consecutivo de perdas. A justificativa de hoje veio de comentários de Henry Paulson, secretário do Tesouro dos EUA, que explicou que o pacote de salvamento da crise financeira não vai mais ser usado para compra de ativos podres de instituições financeiras.

Valor Online |

Segundo ele, passa a ser prioritário agora ajudar a aquecer o crédito ao consumo e negociar facilidades para o pagamento de hipotecas.

O Dow Jones fechou aos 8.282 pontos, em queda de 4,73%. O Standard & Poor´s 500 cedeu 5,19%, para 852 pontos. O eletrônico Nasdaq fechou com perda de 5,17%, para 1.499 pontos.

No âmbito corporativo, o mercado também não gostou das previsões da Best Buy, uma das maiores varejistas do país, de que o lucro deve diminuir neste ano, devido ao clima ruim para consumo no país. Segundo a companhia, o lucro do ano encerrado em fevereiro pode ficar abaixo de US$ 2,30 por ação. A previsão do mercado era de US$ 3,04 de ganho por ação no período.

O entendimento dos agentes é de que os problemas trazidos pela crise financeira estão chegando muito rápido à ponta de consumo. Adicionalmente, as ações da American Express tombaram mais 10% nesta sessão após a companhia anunciar que pode precisa de ajuda financeira do governo. Os papéis da companhia de cartões cederam 10,49% (US$ 20,05).

As ações da General Motors (GM) subiram em meio a expectativas de ajuda governamental ao setor automobilístico. As ações da Ford subiram 2,22%. As da GM avançaram 5,48%.

As ações negociadas no mercado europeu fecharam em queda, puxadas por papéis do setor bancário e petrolífero, que caíram com preocupações de mais perdas e piora do cenário econômico. Wall Street digeria mudanças no pacote do setor financeiro de US$ 700 bilhões.

O índice das principais ações européias FTSEurofirst 300 fechou em queda de 3,39%, a 853 pontos.

Credit Suisse puxou a queda dos bancos, levando um tombo de 8,8% com conversas sobre uma grande perda de negócios. O banco se recusou a comentar.

O banco francês Natixis mergulhou 13,5%, depois de ter informado que sua unidade de núcleo de investimentos bancários teve grandes problemas no último mês, enquanto Barclays, Standard Chartered, Deutsche Bank e Société Générale também registraram perdas. Swiss Life desabou 20% após advertência sobre lucros e ING perdeu 3,9% depois de ter registrado a primeira perda trimestral.

Em Londres, o indicador Financial Times fechou em queda de 1,52%, a 4.182 pontos. O DAX, de Frankfurt, recuou 2,96%, para 4.620 pontos. Na bolsa de Paris, o CAC-40 caiu 3,07%, para 3.233 pontos. Também recuaram as bolsas de Milão (2,25%), Madri (2,97%) e Lisboa (1,41%).

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG