Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

DayJet anuncia fim das operações, afetada por crise global

SÃO PAULO - A norte-americana DayJet se tornou, hoje, a mais nova vítima da crise que afeta o mercado de transporte aéreo dos EUA. A companhia interrompeu suas operações na última sexta-feira e demitiu a maior parte de sua força de trabalho, menos de um ano após iniciar serviços ligando cinco cidades no estado da Florida.

Valor Online |

A empresa, que afirmava ser a pioneira mundial em "serviços por demanda e por assento" acredita que sua quebra decorreu de sua inabilidade em "conseguir financiamentos críticos em meio à corrente crise financeira global". A DayJet ainda afirmou que não será capaz de honrar reservas realizadas ou mesmo reembolsar clientes que já tenham pago suas passagens.

Desde o início do ano, várias empresas aéreas de menor porte quebraram nos EUA. Entre outras, além da DayJet, também deixaram de operar por motivos financeiros a Frontier Airlines, a Skybus Airlines, a ATA e a Aloha Airlines.

A empresa iniciou suas operações em outubro do ano passado com uma frota de 12 jatos executivos Eclipse 500 com capacidade para apenas três passageiros. Seu modelo de negócios se baseava em vender assinaturas de serviço que permitiam que clientes realizassem viagens no mesmo dia entre os aeroportos de destino e chegada.

Em nota anunciando sua falência, a DayJet também acusa a Eclipse Aviation, fabricante de seus aviões, de prestar serviços em desacordo com o contrato firmado entre elas, e que contribuiu para sua quebra. Segundo a DayJet, a fabricante "não instalou equipamentos, funções e não realizou reparos técnicos como acordado pelos termos do contrato de compra das aeronaves".

A companhia aérea era o maior cliente do Eclipse 500 e, ao encerrar suas operações, já havia recebido 28 aparelhos, segundo a fabricante. Em seus planos, estava a criação de uma frota de 300 aeronaves desse tipo em dois anos. Para tanto, afirmava ter pedidos para mais de mil unidades do Eclipse 500.

"Lamentamos profundamente a interrupção e o efeito para clientes, fornecedores e empregados causados por esse inesperado fim das operações comerciais", afirmou o fundador da companhia, Ed Iacobucci, que havia deixado os cargos de presidente e executivo-chefe da DayJet, mantendo apenas a posição de presidente do conselho.

Em nota divulgada à época de sua criação, a empresa afirmava ter levantado mais US$ 200 milhões em créditos e investimentos, o que a tornava "uma das mais bem capitalizadas empresas aéreas de passageiros da história da aviação norte-americana".

(José Sergio Osse | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG