SÃO PAULO (Reuters) - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) vai exigir informações mais detalhadas das empresas abertas sobre os instrumentos financeiros derivativos detidos por elas nos relatórios trimestrais. A deliberação, que define as informações obrigatórias mínimas que devem ser prestadas ao mercado, já vale para o balanço do terceiro trimestre deste ano.

As companhias que já tiverem entregado o relatório, deverão reapresentá-lo com as adaptações exigidas. As que entregarem o documento até o dia 24 de outubro poderão reapresentá-lo, também com as alterações, até 14 de novembro.

"A CVM considera que, no geral, o conteúdo informativo das notas explicativas sobre instrumentos financeiros derivativos que vêm sendo produzidas pelas companhias poderia ser aperfeiçoado", diz trecho do comunicado.

"Adicionalmente, em vista do atual cenário de volatilidade nos mercados nacional e internacional, considerou conveniente a adoção dessa medida já para o terceiro trimestre de 2008", segue o informe.

A deliberação também recomenda que as companhias divulguem análises de sensibilidade de suas posições em instrumentos derivativos em relação a três cenários que são especificados, fornecendo ao mercado referenciais concretos para a avaliação do risco trazido pelas posições assumidas pela companhia.

A CVM informou ainda que, em parceria com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), vai colocar em audiência pública o pronunciamento contábil que trata do reconhecimento, mensuração e evidenciação de instrumentos financeiros.

(Reportagem de Aluísio Alves)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.