Tamanho do texto

O fabricante da aeronáutica canadense Bombardier obteve seu primeiro contrato para seu novo modelo destinado a concorrer com a Boeing e a Airbus no segmento de aviões de 110 a 130 lugares: um acordo firme no valor de 1,5 bilhão de dólares com a Lufthansa apesar da crise atual.

O grupo alemão Lufthansa fez um pedido de 30 aviões da nova série CS no valor de 1,53 bilhão de dólares para sua filial Swiss International Air Lines (ex-Swissair). O acordo, que inclui ainda um opção para mais 30 aviões, compreende os modelos CS100, de uma única cabine, indicou a Bombardier em um comunicado.

O grupo Lufthansa, cliente desde o lançamento da gama de aviões CSeries em julho de 2008, havia assinado uma carta de intenção prevendo a compra de até 60 aviões, entre os quais 30 como opção.

Em valores correntes, o contrato para 30 aviões CS100 ficou em torno de 1,530 bilhão de dólares, destacou o comunicado do construtor.

O anúncio disparou a ação da Bombardier em mais de 10% no meio da manhã, a 2,90 dólares na Bolsa de Toronto.

"A encomenda da Lufthansa é uma excelente notícia e prova que a aviação não está destruída, apesar das dificuldades econômicas", acrescentou.

A Bombardier lançou em julho sua série CS, uma categoria de aviões "verdes" de 110 a 130 assentos com os quais espera captar uma boa parte do mercado de aviões menos poluentes, depois dos gigantes Boeing e Airbus.

Estes aviões, que devem entrar em serviço em 2013, serão, segundo a Bombardier, os mais econômicos em carburante da categoria, graças a uma nova geração de motores fabricados por Pratt and Whitney e a utilização de materiais compostos.

ps/lm/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.