Publicidade
Publicidade - Super banner
Crise Econômica Mundial
enhanced by Google
 

Movimento 'Ocupem Wall Street' chega ao primeiro mês

Protesto se mostra fortalecido pela extensão do movimento nos Estados Unidos e pelas manifestações de "indignados" no mundo

AFP |

O movimento 'Ocupem Wall Street' (OWS) completa nesta segunda-feira o seu primeiro mês, fortalecido pela extensão do movimento nos Estados Unidos e pelas manifestações de "indignados" no mundo.

Quando começou em 17 de setembro com "150 pessoas" na Praça Zuccotti, no coração do bairro de Wall Street, o movimento "ficou internacional", estendendo-se para "mais de 100 cidades americanas", e "tornou-se um fenômeno cultural", comemoraram nesta segunda-feira os organizadores do movimento em seu site.

Veja mais:

Mais de 200 'indignados' mantêm acampamento em Londres

Grupo "Ocupe Wall Street" planeja protesto em 82 países

O presidente Barack Obama fez no domingo referência ao "Ocupem Wall Street" durante a inauguração do monumento a Martin Luther King em Washington, quando declarou que King iria gostar de ver as pessoas assumindo "o desafio dos excessos de Wall Street, sem demonizar aqueles que trabalham lá".

A 'Ocupem Wall Street', que continua se apresentando como uma organização pacífica e sem líderes, é muito ativa nas redes sociais. Denuncia os excessos do mundo financeiro e "o poder corrosivo" exercido pelos grandes bancos sobre a democracia.

"Somos 99%", insistem os manifestantes, que nesta etapa preferem não apresentar reivindicações precisas.

No sábado, durante a jornada mundial dos "indignados", milhares de pessoas se manifestaram na famosa Times Square de Nova York. Noventa e duas pessoas foram detidas, a maioria por ter se negado a deixar o local de concentração.

Na Europa, o movimento dos "indignados" contra a crise e as finanças globais adquiriu neste final de semana uma dimensão planetária, levando às ruas dezenas de milhares de pessoas em manifestações que chegaram neste domingo a Alemanha, Reino Unido e Holanda.

Nas Américas, também houve manifestações em Canadá, México, Chile e Peru.

Veja galeria do movimento:

 

Leia tudo sobre: wall streetmovimentowashingtoncrise

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG