Segundo presidente da instituição, isso torna desnecessária novas reduções das taxas oficiais de juros; inflação na zona do euro está em 2,7% ao ano

Agência Estado

A zona do euro não enfrenta riscos de inflação nem de deflação, afirmou nesta sexta-feira Ewald Nowotny, presidente do banco central da Áustria. Segundo ele, este fato torna desnecessária novas reduções das taxas oficiais de juros. "Eu não vejo a necessidade específica de novos cortes de taxas de juros neste momento", disse Nowotny, que também é integrante da diretoria do Banco Central Europeu (BCE), em entrevista ao The Wall Street Journal.

Em julho, o BCE reduziu sua taxa básica de juros para 0,75%, recorde de baixa. A inflação na zona do euro está em 2,7% ao ano. Apesar disso, o BCE é um dos poucos bancos centrais importantes do mundo com espaço para novos cortes. As taxas básicas de juros do Federal Reserve (o banco central dos EUA) e o Banco do Japão (BoJ) estão próximas a zero. Atualmente, a taxa do BCE para depósitos overnight é zero.

MaisAtraso em plano europeu corrói confiança, afirma OCDE

Nowotny afirmou, sem dar mais esclarecimentos, que levar a taxa para o território negativo representaria "uma série de problemas práticos". O presidente do banco central da Áustria afirmou que, caso BCE reduzir sua principal taxa de juros novamente, ele preferiria manter as taxas de depósito inalteradas, reduzindo o spread entre as duas.

Bônus

No mês passado, o BCE divulgou seu novo programa de compra de bônus de países problemáticos da zona do euro, como a Espanha, contanto que os países peçam resgate e respeitem as condições impostas. A medida ajudou a acalmar os mercados financeiros e reduziu os yields (retorno ao investidor) dos títulos da Espanha e da Itália, embora o programa não tenha sido colocado em prática.

Nowotny se opõe à proposta da Comissão Europeia de dar ao BCE a responsabilidade de supervisionar o sistema bancário da região. "Pessoalmente, eu ficaria mais confortável com uma estrutura mais concentrada para o banco central", afirmou ele, que defende que outras instituições assumam o papel de supervisor bancário.

LeiaChance de a Grécia sair da zona do euro cai para 60%

Em discurso realizado na manhã desta sexta-feira, Nowotny disse que o resultado de uma nova pesquisa do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o impacto econômico do corte do déficit tornará a Europa "mais flexível", na medida em que os formuladores de políticas buscam reduzir a lacuna entre despesas e receitas numa série de países.

O estudo, feito pelos economistas Olivier Blanchard e Daniel Leigh, mostrou que as reduções nos déficits nos últimos anos tiveram um impacto negativo muito maior sobre o crescimento econômico do que o previsto. Os efeitos foram mais agudos na Europa, onde os formuladores de políticas tentam reduzir os déficits por meio de fortes cortes orçamentários. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.