Membro da diretoria do BCE sugere recompras voluntárias de bônus

Proposta busca reduzir o endividamento da Grécia, cuja economia vem encolhendo mais rapidamente do que o previsto, enquanto déficit fiscal encolhe mais lentamente

Agência Estado |

Agência Estado

A zona do euro deveria considerar o uso de recompras voluntárias de bônus para reduzir o endividamento da Grécia, disse o membro da diretoria do Banco Central Europeu (BCE) Joerg Asmussen, segundo a edição de hoje do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung. "Temos que pensar nas próximas semanas em soluções como uma recompra voluntária de dívida", afirmou Asmussen, de acordo com o jornal.

Sem citar diretamente Asmussen, o jornal explicou que os recursos do Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês) poderiam ser usados dessa forma para que o endividamento da Grécia fosse reduzido a um nível sustentável. O diário também citou uma autoridade do governo alemão, que classificou a ideia como não realista. Desde o pedido de ajuda à zona do euro e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), em 2010, a economia da Grécia vem encolhendo mais rapidamente do que o previsto, ao mesmo tempo em que o déficit fiscal encolhe mais lentamente.

MaisBCE classifica programa de compra de dívida como "necessário" e "efetivo"

Mesmo após o perdão de parte significativa da dívida pelos credores privados, as projeções atuais indicam que a Grécia não tem condições de cumprir suas obrigações. Dessa forma, fica impossível para o FMI continuar financiando o programa de socorro ao país. Nas últimas semanas, as discussões entre a Grécia e seus credores têm se concentrado em como colocar a dívida do país novamente em uma trajetória sustentável.

O método proposto por Asmussen, aparentemente, gira em torno do uso de 50 bilhões de euros em recursos do ESM para comprar bônus que atualmente estão nas mãos do BCE e de alguns dos 17 bancos centrais do Eurosystem. Isso equivale a mais de 25% do produto interno bruto grego. O BCE comprou esses bônus no mercado por um valor bem inferior ao de face, numa tentativa fracassada de manter as condições monetárias no país sob controle.

TambémBCE vê "graves distorções" em mercados de títulos

Em teoria, o ESM poderia emprestar os recursos para que a Grécia recompre esses bônus, que ainda têm um valor de face mais alto. Isso reduziria o estoque da dívida em circulação e, consequentemente, o porcentual da dívida em relação ao PIB. Esse modelo de redução de dívida tinha sido sugerido em 2010, mas Jean-Claude Trichet, então presidente do BCE, recusou-se a aceitá-lo. Além disso, o tratado que regula o ESM não prevê esse tipo de uso para os recursos. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: BCEbônusdívidacredoresfinanciamentogrécia

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG