Londres, 20 out (EFE).- A atual crise econômica pode obrigar a nacionalização de duas das instalações olímpicas previstas pela cidade de Londres para os Jogos Olímpicos de 2012, o que custaria ao contribuinte britânico quase 900 milhões de libras (mais de 1,1 bilhão de euros) adicionais.

Esta advertência foi feita hoje pelo jornal "The Times", segundo o qual o ministro de Finanças, Alistair Darling, a ministra responsável pelos Jogos, Tessa Jowell, e a titular da pasta das Comunidades, Hazel Blears, ainda têm que entrar em acordo sobre como reunir o dinheiro necessário.

Esta última resiste às pressões para liberar pelo menos 250 milhões de libras de seu Ministério para financiar os Jogos.

Em um princípio, se pensava que o 1 bilhão de libras (cerca de 1,26 bilhão de euros) que custará a Vila Olímpica e pelo menos a metade dos 400 milhões de libras (504 milhões de euros) do centro de imprensa correriam a cargo da iniciativa privada.

Porém, a Lend Lease, a empresa particular responsável por montar a Vila Olímpica, não conseguiu o financiamento necessário por culpa da crise econômica, e será impossível alojar os atletas caso o Governo não coloque mais dinheiro, informa o periódico.

O Governo trabalhista já concedeu 550 milhões de libras (693 milhões de euros) ao Parque Olímpico (Stratford Park) e à infra-estrutura da Vila Olímpica, mas faltam outros 800 ou 900 milhões de libras.

O custo da Vila Olímpica caiu um pouco, pois houve uma diminuição de 4.000 para 2.500 no número de casas projetadas como conseqüência da crise do mercado imobiliário, o que, indica a publicação, alimenta os temores de que os atletas podem ficar amontoados.

Segundo o presidente da entidade responsável pelo cumprimento do calendário das obras olímpicas - a Olympic Delivery Authority -, seria necessário esperar um pouco mais para ver se tentar alcançar algum acordo com os investidores particulares, mas o Governo está submetido a fortes pressões para garantir o financiamento do projeto olímpico e restabelecer a confiança no mesmo. EFE jr/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.