BRASÍLIA - A senadora Marina Silva (PT-AC) disse hoje, durante a Conferência Mundial sobre Meio Ambiente e Cultura da Paz (ECO 2008), ter certeza de que a crise financeira mundial afetará o setor ambiental. Num momento de crise, aumenta o risco da barbárie, porque as pessoas correm para buscar saídas de qualquer jeito, disse a senadora, que considera pequena a possibilidade de haver desaceleração nas atividades madeireiras da Amazônia.

"A saída dessa crise deve comportar um olhar diferenciado para os ativos ambientais, considerando a sustentabilidade dos ecossistemas e a capacidade de suporte do planeta", completou.

A ex-ministra do Meio Ambiente defendeu também uma reavaliação do mito de que os processos auto-regulatórios são capazes de dar respostas. "Até porque quando acontece, a crise é jogada no colo do Estado, obrigando-o a resolver o problema, injetando bilhões no sistema. E esses bilhões não caíram das nuvens. Eles vêm do bolso do contribuinte."
A ECO 2008 termina hoje, após contar com a participação de diversos especialistas - entre eles Marina Silva e o atual ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc -, que debateram temas como Paz e Sustentabilidade, Mudanças Climáticas, Energias para o Século 21, Políticas Públicas para o Meio Ambiente, Cidades Sustentáveis, Educação Ambiental, Mídia e Meio Ambiente e Amazônia.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.