Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Crise exige novo modelo de crédito agrícola, diz Stephanes

Brasília, 18 - O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou hoje que a crise financeira internacional, que reduziu a oferta de financiamento para o setor agrícola, exige mudanças no modelo de crédito rural do País. De acordo com ele, a participação do Banco do Brasil no financiamento agrícola é mais necessária do que nunca, nesse contexto.

Agência Estado |

Atualmente o Banco do Brasil (BB) é o grande financiador do agronegócio, com a liberação dos recursos do crédito rural e do financiamento da safra por meio da compra antecipada da produção, mecanismo que é posto em prática com a Cédula de Produto Rural (CPR).

O BB vai propor ao governo uma reforma do sistema de crédito rural que prevê, entre outras frentes, a definição de uma política de garantia de renda e a ampliação dos agentes financiadores do agronegócio. Os executivos do BB defendem a concessão de crédito para que os produtores ingressem no mercado de derivativos, garantindo um preço futuro para a safra. O BB também quer a ampliação do seguro rural.

Stephanes disse que as propostas do BB estão sendo avaliadas e que não há uma definição sobre elas. "Elas (medidas) estão em estudo. Ainda não é possível dizer se são factíveis ou não", afirmou.

O ministro acrescentou que a maior participação do BB no financiamento rural é uma realidade diante do aumento da aversão ao risco que outras instituições financeiras têm à liberação de crédito ao setor agrícola. O ministro comentou que a maior participação do BB permitirá "uma melhora do fluxo" de liberação de recursos.

No curto prazo, o ministro voltou a defender a redução da taxa de juros das CPR que, segundo ele, oscilam de 12% a 20% ao ano. Ele observou que uma taxa superior a 12% é inviável para o setor agrícola.

Ele também defendeu a ampliação do prazo para pagamento das operações de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC) que, segundo ele, é de até 90 dias. Stephanes considerou que o ideal para a agricultura é pagamento em até 360 dias.

O ministro descartou o risco do estouro da "bolha do subprime (crédito de alto risco) agrícola", alerta que tem sido sugerido por lideranças do Centro-Oeste, em particular de Mato Grosso. O ministro ressaltou que, no caso de Mato Grosso, as dívidas de investimento, que venceram em outubro e não foram pagas, somam menos de R$ 1 bilhão.

Conforme Stephanes, a situação nas demais regiões é tranqüila. "Não vai haver estouro de bolha", garantiu. O ministro lembrou, ainda, que o governo já anunciou medidas de apoio ao setor rural, para suprir a falta de crédito das tradings. Afirmou, ainda, que acompanha a situação freqüentemente.

Ele reafirmou que o governo estuda a possibilidade de criar uma linha para refinanciamento dessas dívidas. O ministro informou que o pedido foi encaminhado pelo Ministério da Agricultura ao Conselho Monetário Nacional (CMN). Por fim, Stephanes negou que o governo pense em promover uma nova rodada de renegociação das dívidas rurais por causa da crise que afeta o setor agrícola.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG