Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Crise e queda do petróleo atingem bolsas da Ásia

SÃO PAULO - A forte queda vista ontem nas bolsas de Wall Street e nas cotações do petróleo repercutiu hoje nos mercados acionários asiáticos. O pregão foi de baixa em todos os índices, puxada pelas ações dos setores de tecnologia, energia e financeiro.

Valor Online |

Na bolsa de Tóquio, o índice Nikkei 225 perdeu 3,9%, para 8,876.42 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 3,8% para fechar em 14,415.91 pontos. Na China, o Shanghai Composite terminou com queda de 2,4%, aos 1,878.18 pontos. O índice Kospi, da bolsa de Seul, recuou 1,8%, aos 1,205.70 pontos.

O alerta feito ontem pela Intel, maior fabricante de chips do mundo, de que os resultados do quarto trimestre de 2008 ficarão abaixo do esperado prejudicou as empresas de tecnologia. Em Tóquio, os papéis da Advantest - que faz equipamento de testes de chips - perderam 12%. Em Hong Kong, as ações da Lenovo declinaram 26% depois de a empresa informar que deve ter prejuízo no quarto trimestre.

Ontem, os contratos de petróleo caíram mais de US$ 5 em Nova York após o crescimento nos estoques americanos do produto. Hoje, as ações da petroleira Cnooc perderam 6,7% em Hong Kong e a maior empresa japonesa do setor, a Inpex, recuou 9%.

Em Hong Kong, as ações do Bank of China caíram 8,4% depois de um investidor bilionário vender papéis com desconto e se desfazer de uma fatia de mais de US$ 500 milhões no banco. O mercado chinês teme que outros investidores continuem a vender participações nos bancos locais para fazer caixa e cobrir prejuízos em outros investimentos.

Na Índia, a bolsa de Mumbai ficou fechada por feriado. Ontem, o principal indicador do mercado, o Sensex, caiu 7,25% com a baixa de 82% das ações da Satyam Computer Services, quarta maior empresa de software do país. Os papéis despencaram depois de seu fundador e presidente, Ramalinga Raju, renunciar e revelar que a companhia falsificou os balanços por anos, gerando uma fraude superior a US$ 1 bilhão.

(Valor Online, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG