Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Crise deve reduzir pela metade expansão do crédito em 2008, diz Fitch

SÃO PAULO - A crise financeira internacional deverá derrubar pela metade o crescimento esperado para a concessão de crédito em 2008. É o que afirma um relatório divulgado nesta terça-feira pela agência de classificação de risco Fitch Ratings, para quem a continuidade da desalavancagem do sistema financeiro, além do aumento da aversão a risco e da desaceleração da economia mundial serão os grandes responsáveis pelo encolhimento do ritmo de alta do crédito.

Valor Online |

No documento, que trata do risco sistêmico dos bancos, a Fitch estima que o ritmo de crescimento real do crédito irá cair para 7% ao final deste ano, com uma queda adicional para 5% em 2009, após ter chegado ao pico de 16% em 2007.

De acordo com o relatório, a desaceleração continuará sendo mais intensa na chamada "Europa Emergente", mas deverá se espalhar para todas as regiões. As expectativas da Fitch para o crescimento do crédito na América Latina é de desaceleração acentuada. Em contraste, a queda de ritmo no Oriente Médio e Ásia deve ser "de menor" intensidade.

Desde que o relatório foi lançado, em 2005, um crescente número de países foi colocado pela Fitch em categorias de risco maior, refletindo o forte crescimento do crédito e, em alguns casos, os altos preços dos ativos e a valorização do câmbio. Diante disso, quando a crise financeira estourou, no ano passado, a agência informa que mais de 60% dos 86 países analisados exibiam moderadas ou altas indicações de potencial estresse dos respectivos sistemas bancários, incluindo 80% dos países desenvolvidos, além da maioria das nações de Europa Emergente e Golfo Pérsico.

A agência lembra ainda que o crescimento da aversão ao risco, especialmente entre os bancos, foi a principal razão para as sucessivas quebras e aquisições de instituições financeiras em países desenvolvidos no mês passado. Isso também explica parcialmente os problemas de liquidez observados em alguns bancos de nações emergentes. E as turbulências vão persistir, de acordo com a Fitch, com a dificuldade de acesso a linhas de financiamento.

Mais notícias

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

 

Leia tudo sobre: crédito

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG