As operadoras de telecomunicações tentam mostrar otimismo frente à crise financeira global, mas não conseguem, porém, esconder a apreensão. Ao mesmo tempo em que falam em manter ou aumentar os investimentos no próximo ano, trabalham na revisão de seus orçamentos, afetados pela alta do dólar e pelo aperto de crédito.

Enquanto os presidentes das empresas buscavam passar uma mensagem positiva em suas apresentações no Futurecom, as conversas nos corredores da feira indicavam preocupação com contenção de despesas e otimização de recursos.

O presidente da Claro, João Cox, prevê que o investimento do setor em 2009 "não fique muito diferente" da média de R$ 19 bilhões dos últimos anos. "O mercado continuará crescendo, só que a um ritmo mais lento." As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.