Washington, 8 out (EFE) - A incerteza sobre a situação econômica global afeta também as grandes economias asiáticas, onde o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um crescimento de 7% para 2009, frente aos 9,25% do ano passado. Em seu relatório semestral Perspectivas Econômicas Mundiais, o Fundo prevê que, este ano, o crescimento nas economias asiáticas emergentes, nas quais inclui China e Índia, se situará em 7,75%. A instituição financeira internacional atribui a queda no crescimento à preocupação com que as tensões no sistema financeiro global e uma desaceleração maior que o previsto na economia global afetem ainda mais a atividade econômica do continente. A queda na demanda externa, afirma o FMI, pode levar à redução das exportações. A instituição, no entanto, prevê que, em alguns casos, o impacto pode ser amenizado pela desvalorização da moeda e por políticas macroeconômicas ainda relaxadas.

O investimento, adverte o fundo, também será moderado diante das perspectivas de uma redução nas exportações.

Além disso, o consumo cairá por causa dos preços da energia e dos alimentos, que se mantêm altos, embora os subsídios, "comuns na região", possam aliviar o impacto no poder aquisitivo.

Segundo o FMI, este ano a inflação será de 7,25% na região, contra 5% no ano passado. Para 2009, prevê uma ligeira queda, até 6%.

Na China, o crescimento econômico passará dos 11,9% de 2007 para 9,7% este ano e para 9,3% no próximo. A inflação, que no ano passado era de 4,8%, fechará 2008 em 6,4%, antes de baixar para 4,3% em 2009.

Já na Índia, o crescimento será de 6,9% em 2009, comparado com os 7,9% de 2008 e aos 9,3% de 2007. A inflação indiana será de 7,9% este ano e cairá para 6,7% em 2009, frente aos 6,4% de 2007.

As perspectivas para o Japão também não são boas. No segundo trimestre de 2008, a economia caiu a um ritmo de 3% anualizado sobre trimestres, e o crescimento nos últimos quatro trimestres foi menor que 1%.

O crescimento econômico para o Japão para 2008 e 2009, segundo o FMI, ficará abaixo de 1%. EFE mv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.