Tamanho do texto

Nova York, 16 set (EFE).- O forte crescimento da economia chinesa nos últimos tempos beneficia os países da América Latina, cujas classificações de dívida poderiam elevar-se "no futuro" graças a isso, segundo Moody's.

Nova York, 16 set (EFE).- O forte crescimento da economia chinesa nos últimos tempos beneficia os países da América Latina, cujas classificações de dívida poderiam elevar-se "no futuro" graças a isso, segundo Moody's. A agência de classificação divulgou hoje um relatório elaborado por seu analista Sergio Valderrama no qual aponta que na última década as importações chinesas de matérias-primas procedentes da América Latina aumentarão a taxas anuais superiores a 20%. O gigante asiático se transformou em um dos mercados mais importantes da região, está entre os três principais destinos das exportações da Argentina, Brasil e Venezuela. Valderrama detalhou que o crescimento da economia da China provocou uma alta de preços das matérias-primas, circunstância que beneficiou a maioria dos países exportadores da América Latina, tornando-os mais resistentes a possíveis problemas econômicos. O autor do relatório diz que, ao contrário do ocorrido em outras épocas, quando apesar dos elevados preços das matérias-primas a América Latina seguia endividando-se, "no período recente, vários Governos aproveitaram os altos preços para reduzir seus níveis de dívida, acumular ativos financeiros e aumentar as reservas internacionais". Para o analista, esta mudança demonstrou que a região estava em melhor posição para enfrentar a crise econômica de 2009 e que isto "fortaleceu sua qualidade creditícia" e poderia "levar a melhorias nas classificações". EFE tme/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.