Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Crédito responde por 40% da alta do PIB, indica estudo

O salto do crédito foi responsável por quase 40% da taxa de crescimento do Brasil nos últimos seis anos. A conclusão é de um estudo elaborado, a pedido do Estado , pelo economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges.

Agência Estado |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237561723227&_c_=MiGComponente_C

Nas contas dele, a expansão média de 4% ao ano do Produto Interno Bruto (PIB) no período 2004-2009 teria sido de 2,5% se o crédito não tivesse avançado como avançou - a participação no PIB foi de 23% para 45%.

"O crédito foi crucial para a retomada do crescimento, tanto pela ampliação da oferta pelos bancos, que deixaram de financiar apenas o governo, como pelo aumento da demanda pelas famílias e empresas, que, em um ambiente mais estável e com a melhora do mercado de trabalho, ficaram cada vez mais confiantes em se endividar", diz ele.

Além das questões macroeconômicas - queda da inflação, mais postos de trabalho, renda maior, melhora das contas públicas e consequente redução dos juros -, especialistas destacam a criação do crédito consignado e mudanças regulatórias, que deram mais segurança a quem concede o empréstimo.

O analista Alexandre Andrade, da Tendências Consultoria Integrada, lembra, por exemplo, que o consignado, regulamentado pelo governo em 2004, apresentava, no fim de janeiro, estoque de R$ 110 bilhões, um terço dos empréstimos concedidos às pessoas físicas no Brasil. Segundo ele, a Lei de Falências estimulou empréstimos às empresas.

"O consignado colocou no mercado um contingente enorme de aposentados que não participavam do sistema de crédito", afirma o analista de instituições financeiras da Austin Rating, Luís Miguel Santacreu.

Olhando à frente, a aposta do mercado para que a fatia de empréstimos na economia chegue perto da média mundial é o crédito imobiliário. Apesar do avanço dos últimos anos, a relação crédito/PIB, aqui, é inferior à maioria dos países. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: créditoestudopib

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG