Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Crédito, inflação e petróleo pressionam bolsas asiáticas

As bolsas asiáticas foram empurradas para baixo, em meio a preocupações diversas, como a fragilidade do mercado de crédito, a inflação global e a escalada dos preços do petróleo - mesmo com os líderes do G-8 pronunciando-se sobre a necessidade de se encontrar uma solução para a alta das commodities.

Agência Estado |

Após um breve alívio ontem, a Bolsa de Tóquio voltou a registrar queda, puxada pela renovação dos temores sobre a saúde dos bancos americanos. O índice Nikkei 225 chegou a ficar abaixo dos 13 mil pontos durante o dia, pela primeira vez nos últimos três meses, mas encerrou com queda de 326,94 pontos, ou 2,5%, aos 13.033,10 pontos.

Na Bolsa de Hong Kong, a volatilidade de Wall Street deu o tom dos negócios e levou os investidores a realizar lucros, em meio à preocupação de que o mercado ainda não atingiu o fundo do poço. O índice Hang Seng caiu 3,2% e fechou aos 21.220,81 pontos.

Nas Bolsas da China, pelo segundo dia seguido as ações das companhias aéreas ajudaram o mercado a fechar em alta. O índice Xangai Composto subiu 0,8% e fechou aos 2.814,95 pontos. Já o Shenzhen Composto subiu 1,2% e fechou aos 857,40 pontos. Yuan - O enfraquecimento do dólar nos mercados internacionais levou o yuan a fechar em alta ante a divisa norte-americana. No mercado de balcão, o dólar encerrou cotado em 6,8510 yuans, abaixo da menor cotação de ontem, que foi de 6,8690 yuans.

Na Coréia do Sul, quedas em papéis do setor financeiro e de empresas exportadoras levaram a bolsa a fechar em baixa. O índice Kospi da Bolsa de Seul caiu 2,9% e fechou aos 1.533,47 pontos, nível mais baixo desde abril do ano passado. Em Taiwan, quedas em bolsas vizinhas e um índice de preços ao consumidor mais alto que o esperado derrubaram o mercado de ações. O índice Taiwan Weighted da Bolsa de Taipé caiu 3,9% e fechou aos 7.051,85 pontos.

Nas Filipinas, a bolsa segue em recuperação, mas os investidores continuam cautelosos, segundo analistas. O índice PSE Composto da Bolsa de Manila subiu 1,5% e fechou aos 2.450,55 pontos.

Na Austrália, o mercado de ações caiu para seu nível mais baixo desde agosto de 2006. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney caiu 1,4% e fechou aos 4.932,9 pontos. BHP Billiton caiu 0,6% e Rio Tinto subiu 0,2%.

A Bolsa de Cingapura recuou, por conta das preocupações dos investidores com as perdas em Wall Street e seu reflexo nas bolsas asiáticas. O índice Straits Times caiu 1,6% e fechou aos 2.886,62 pontos. O mercado indonésio continua em correção com mais vendas de papéis de mineradoras, devido a temores de que os preços das commodities prossigam em queda devido ao enfraquecimento global da economia. O índice composto da Bolsa de Jacarta cedeu 1,1% e fechou aos 2.278,97 pontos.

Na Tailândia, o mercado caiu pressionado pelo enfraquecimento das bolsas regionais e também com vendas antes da votação, pela Suprema Corte, de veredicto em um processo de fraudes em votação que pode resultar na dissolução do partido atualmente no poder. O índice SET da Bolsa de Bangcoc perdeu 1,1% e fechou aos 722,50 pontos. O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, caiu 0,5% e fechou aos 1.121,25 pontos, seguindo as quedas nos demais mercados asiáticos. Pesaram ainda preocupações com a saúde dos mercados americanos e incertezas com a política local.

As informações são da Dow Jones

Leia tudo sobre: bolsa de valores

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG