WASHINGTON - Os empréstimos do consumidor dos EUA apresentaram novo recuo em fevereiro, refletindo a fraqueza da utilização de cartões de crédito e financiamento de automóveis. Analistas dizem que a queda mostra que situação da economia americana ainda está deixando os consumidores hesitantes em tomar mais empréstimos.

WASHINGTON - Os empréstimos do consumidor dos EUA apresentaram novo recuo em fevereiro, refletindo a fraqueza da utilização de cartões de crédito e financiamento de automóveis. Analistas dizem que a queda mostra que situação da economia americana ainda está deixando os consumidores hesitantes em tomar mais empréstimos. O Federal Reserve afirmou nesta quarta-feira que os empréstimos apresentaram declínio de US$ 11,5 bilhões em fevereiro, surpreendentemente pior do que os US$ 500 milhões previstos pelos economistas. A queda de fevereiro foi o 12º decréscimo dos últimos 13 meses, com os consumidores evitando tomar crédito diante da profunda recessão econômica e o alto desemprego. Os analistas afirmaram que os empréstimos ao consumidor recuaram acompanhando os temores com o desemprego que ainda está próximo aos 10% no país, além dos movimentos dos bancos nas maiores restrições ao crédito, seguindo a crise financeira dos últimos dois anos. O declínio de US$ 11,5 bilhões em fevereiro puxou os empréstimos totais para US$ 2,45 trilhões, 4% abaixo dos patamares de um ano atrás. A medida do Fed de crédito ao consumidor exclui as hipotecas e outros empréstimos assegurados pelo mercado imobiliário. Em janeiro, os empréstimos nos EUA cresceram em US$ 10,6 bilhões, um ganho que quebrou o recorde de 11 quedas consecutivas. (Associated Press)
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.