Em busca de novas receitas, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), ligada ao governo do Estado, vai atuar como empreendedora imobiliária. O objetivo é alugar terrenos não utilizados pela companhia.

O principal fica na Rua Funchal, esquina com a Rua Gomes de Carvalho, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo. Avaliado em R$ 10,5 milhões, é um dos últimos disponíveis na região, e tem nas proximidades a butique Daslu e o conjunto comercial E-Tower.

A CPTM acaba de lançar edital para conceder a utilização da área de 3,6 mil metros quadrados por 30 anos. O edital prevê a construção de um edifício comercial de alto padrão, com tamanho mínimo de 12 mil m², no terreno. Em troca, o vencedor deverá pagar ao Estado R$ 105 mil mensais ou 12% do faturamento bruto do empreendimento - o que for mais vantajoso à administração. A partir do contrato, o projeto de construção deverá ser desenvolvido num prazo de até três anos. Com o fim do contrato, terreno e prédio voltam para a posse da companhia.

Na CPTM, quem administrará as concessões é a empresa recém criada Marketing e Desenvolvimento de Negócios. Está sendo feito estudo para identificar outros terrenos que possam virar projetos. A prioridade é para aqueles que permitam integração entre estações e empreendimentos comerciais.

Outras áreas da CPTM, de menor valor, têm sido concedidas para estacionamentos populares, principalmente nos arredores de estações de trem e metrô. A empresa já conta com cinco empreendimentos desse tipo e, nos próximos três meses, deverá abrir outros quatro, localizados nas zonas leste e oeste da capital e na cidade de São Caetano do Sul. Os valores arrecadados com as concessões não foram divulgados. "A CPTM, que foi criada a partir da fusão da extinta Fepasa e da CBTU, herdou algumas áreas que não têm como ser aproveitadas pela atividade principal, que é transporte público. Mas podem se tornar importantes fontes de renda, como é o caso desse terreno na Rua Funchal", disse o gerente de Marketing e Desenvolvimento de Negócios da companhia, Angelo Bellelis.

Valorizada

Os valores de terrenos na região da Vila Olímpia estão aumentando desde o início do ano, segundo executivos do mercado imobiliário. Um lote na Avenida Faria Lima, por exemplo, foi vendido por R$ 700 milhões no início do ano - e o valor do metro quadrado para aluguel ultrapassa R$ 120.

Corretores de imóveis admitem que há grande interesse pela licitação do terreno da CPTM na Rua Funchal e evitam dar declarações sobre a concorrência, sob alegação de não atrapalhar a disputa.

Mas os corretores admitem que o preço e o prazo de concessão, de 30 anos, da empresa são convidativos para obter retorno do investimento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.