RIO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, defendeu a criação de um fundo global de desenvolvimento, que seria responsável pelo investimento em projetos de infra-estrutura e pelo apoio a pequenas e médias empresas em países em desenvolvimento em períodos de crise. De acordo com Coutinho, o fundo poderia dispor de até US$ 500 bilhões em recursos e seria capitalizado por países com grandes volumes de reservas.

Coutinho frisou que a maior parte dos países em desenvolvimento não possui sistemas de crédito de longo prazo, com volume estável de recursos e taxas de juros baixas. A idéia do fundo global surge, segundo ele, em um momento em que as nações desenvolvidas têm interesse na recuperação das economias emergentes, que vêm sendo a locomotiva do crescimento global.

"Poucas economias em desenvolvimento têm a capacidade que a China tem, que o Brasil felizmente hoje tem, de atuar de forma contra-cíclica, ativando o investimento em infra-estrutura, tanto público, quanto privado", ressaltou Coutinho, que participou da conferência a Associação Mundial das Agências de Promoção de Investimentos (Waipa, na sigla em inglês), no Rio de Janeiro.

De acordo com Coutinho, o fundo - cuja formatação será apresentada pelo Brasil no âmbito do G-20 - poderia englobar mecanismos para mitigar riscos de crédito, além de utilizar bancos regionais de desenvolvimento e instituições multilaterais já existentes para levar os recursos até a economia real dos países.

O executivo rechaçou a idéia de que a constituição de um mecanismo como o fundo global pudesse enfrentar obstáculos em um momento de crise internacional e baixa liquidez nos mercados. Segundo Coutinho, em momentos de turbulência, as soluções devem ser mais ousadas e criativas.

"O governo norte-americano criou no passado o Plano Marshall, que foi fundamental. Nesse momento, precisamos de um Plano Marshall adaptado para as economias em desenvolvimento", destacou Coutinho. "Precisamos de um grande PAC mundial", acrescentou.

(Rafael Rosas | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.