Tamanho do texto

SÃO PAULO - Com os investidores receosos e o crédito escasso no mundo todo, a holding Cosan Limited encontrou outra forma de se financiar. A empresa vai levantar US$ 180 milhões em capital novo por meio de subscrição privada.

Os recursos serão utilizados no fortalecimento da estrutura de capital do Grupo Cosan, um dos maiores produtores de açúcar e álcool do mundo. O dinheiro também dará suporte aos projetos de expansão e possíveis aquisições.

Segundo Fato Relevante divulgado pela companhia, o acordo de investimento foi fechado com certos fundos de investimentos administrados por afiliadas da Gávea Investimentos, gestora do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, e com o controlador indireto da companhia, Rubens Ometto Silveira Mello.

Os Fundos Gávea se comprometeram a subscrever até 16.455.696 ações ordinárias classe A de emissão da Cosan Limited e/ou certificados de depósito de ações ( " BDR " ), cada qual representando uma Ação Classe A. O preço de emissão é de US$ 7,90 por ação ou por BDR (no caso do BDR, o equivalente em reais, conforme taxa de câmbio de reais para dólares aplicável no momento da subscrição), o que resulta em investimento de até US$ 130 milhões.

Diretamente ou por meio de outra entidade sob seu controle, Rubens Ometto concordou subscrever até 6.329.114 novas Ações Classe A, ao mesmo preço de emissão, no montante de US$ 50 milhões.

Os atuais acionistas da companhia, sejam titulares de ações classe A ou BDRs poderão participar da colocação com base na quantidade de ativos detidos em 2 de outubro de 2008.

A empresa ressalta que o número ações ou BDRs a ser adquirido pelos Fundos Gávea poderá ser reduzido caso os acionistas tomem parte na oferta. No entanto, em nenhuma hipótese, o investimento feito pelos Fundos Gávea será inferior a US$ 90 milhões.

(Valor Online)