Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Corte de gastos públicos é bem-visto pelo presidente do HSBC

RIO - O pacote fiscal lançado hoje pelo governo, que prevê cortes de R$ 10 bilhões nos gastos públicos, foi bem-vindo, na opinião do presidente do HSBC no Brasil, Conrado Engel. Após palestra na Câmara Britânica, o executivo afirmou não saber se as medidas serão suficientes, mas acredita que a intenção do governo já é boa. Hoje, a equipe econômica anunciou o contingenciamento de de R$ 10 bilhões em despesas federais, principalmente em gastos de custeio.

Valor Online |

RIO - O pacote fiscal lançado hoje pelo governo, que prevê cortes de R$ 10 bilhões nos gastos públicos, foi bem-vindo, na opinião do presidente do HSBC no Brasil, Conrado Engel. Após palestra na Câmara Britânica, o executivo afirmou não saber se as medidas serão suficientes, mas acredita que a intenção do governo já é boa. Hoje, a equipe econômica anunciou o contingenciamento de de R$ 10 bilhões em despesas federais, principalmente em gastos de custeio. Engel considerou a situação fiscal do país positiva, já que a relação entre a dívida pública e o PIB está em torno de 40% e tem tendência de queda. No entanto, Engel criticou os gastos do governo. "Não é porque a situação é boa que isso quer dizer que a gente gaste bem." A taxação da produção brasileira, em torno de 38%, faz com que o país tenha uma situação fiscal favorável, segundo o presidente do HSBC. No entanto, ele acredita que os gastos estejam muito focados no custeio da máquina pública e não em investimentos. "Temos espaço para investir mais e esse é o grande nó, o grande gargalo do crescimento do país." Para Engel, a economia brasileira deve crescer 6,5% neste ano, e essa expansão traz riscos como inflação e a consequente elevação dos juros. A expectativa do HSBC é de que a inflação em 2010 fique em 5,7% e caia para 4,8% em 2011, e que haja mais uma elevação de ,075 ponto percentual no juro básico Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), no começo de junho. A projeção do banco para o dólar é de que seja cotado a R$ 1,90 no fim do ano e R$ 1,95 ao término de 2011. (Juliana Ennes | Valor )

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG