Tamanho do texto

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que os cortes de prêmios salariais concedidos a altos executivos de empresas resgatadas pelo Estado, com dinheiro dos contribuintes, são um importante passo à frente.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237577421964&_c_=MiGComponente_C

Paralelamente, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou que vai impor aos bancos presentes nos Estados Unidos a revisão de suas políticas de bônus para que elas não minem sua segurança e sua saúde financeira.

O Fed explicou que considera desejável, neste sentido, a adoção de uma diretriz em favor de uma política de prêmios saudável.

Esta diretriz pode entrar em vigor dentro de algumas semanas, ou até meses. Mesmo assim, o Fed já indicou em comunicado que espera dos bancos a revisão imediata de seu dispositivo de prêmios e bônus para desestimular os investidores a assumirem riscos excessivos, e motivá-los a adotar medidas corretivas onde for necessário.

O Fed indicou que sua proposta está dentro dos princípios definidos pelo Conselho para a estabilidade financeira (CSF), organismo de coordenação internacional cujas recomendações os países industrializados e emergentes reunidos no G20 se comprometeram a adotar.

Um alto dirigente do Fed indicou à imprensa em conferência por telefone que o banco central americano imporia obrigações aos bancos e que queria ver seus princípios aplicados na prática.

O Fed informou que espera controlar de perto a maneira como os bancos adotarão estas diretrizes e lembrou que tem o poder de "tomar decisões contra qualquer banco envolvido ou prestes a se envolver em qualquer prática perigosa ou duvidosa".

Leia mais sobre Federal Reserve

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.